Skip to Content

Vanishing Girls, da Lauren Oliver

14 de abril de 2015 às 14:13, por

tumblr_nhthfju8vj1qdlytco1_500Título: Vanishing Girls
Editora: HarperCollins
Data de lançamento: 10 de março de 2015
Língua: Inglês

“Dara e Nick costumavam ser inseparáveis, mas isto foi antes do acidente que deixou o belo rosto de Dara com cicatrizes e as duas irmãs distantes uma da outra. Quando Dara desaparece no dia de seu próprio aniversário, Nick pensa que Dara estava apenas de brincadeira. Contudo, Madeline Snow, uma jovem de nove anos, também está desaparecida, e Nick fica cada vez mais suspeita que os dois desaparecimentos estão ligados. Agora Nick precisa encontrar sua irmã antes que seja tarde demais… ” (tradução livre)

Assim que o livro chegou na Carlota Joaquina (comprei o e-book na pré-venda), peguei para ler. Adoro histórias sobre irmãs e já estava ansiosa com tudo: capa, autora, título, sinopse… Literalmente TUDO. E como já conhecia a escrita da Lauren da época que li Delírio, também peguei o livro com a certeza de que mesmo que a história fosse fraca, a narrativa me prenderia até o fim. Infelizmente não poderei entrar em muitos detalhes sobre Vanishing Girls para não estragar a surpresa que acabou com a minha madrugada e com o meu sono, que me fez xingar todas as gerações da Lauren Oliver, que me fez pegar o livro mais uma vez para confirmar tudo e que me fez amar esta autora de uma forma ridícula (você não leu errado, não se preocupe). Então, sinto muito pela resenha que será um tanto quanto vaga.

Lauren Oliver, "eu já te disse o quanto te odeio?"

Lauren Oliver, “eu já te disse o quanto te odeio?”

“Algumas vezes, as pessoas param de te amar. E isso é um tipo de escuridão que nunca poderá ser resolvida, não importa quantas luas nasçam de novo, enchendo o céu com uma fraca semelhança com a luz”

Nick e Dara eram irmãs inseparáveis que se amavam horrores e faziam quase tudo juntas, de tão unidas que elas eram, mas o que parecia ser um relacionamento perfeito para as pessoas que viam de fora, escondia as frustrações, as mentiras e as omissões que fraturavam de pouco em pouco o relacionamento delas. E a relação das duas se desgastou ainda mais quando Dara começou a namorar Parker, o companheiro inseparável das duas irmãs e o cara por quem Nick estava secretamente apaixonada.Tudo piorou ainda mais após o acidente de carro no qual as duas estavam envolvidas, porque Dara não perdoava o que Nick tinha feito e Nick não queria perdoar Dara porque todo mundo passava a mão na cabeça de Dara e ainda havia todas as coisas que se acumularam durante a relação entre elas e que Nick deixava passar.

Depois do acidente, os pais das duas se divorciaram, a mãe entrou em depressão, o pai se mudou e arranjou uma namorada, Nick ficou um tempo com o pai antes de voltar para a casa da mãe e ter que lidar com a irmã que não falava com ela e Dara não estava viva para o mundo lá fora. E, para piorar, no meio de todas essas complicações emocionais, uma garota de nove anos simplesmente some e todos na cidade estão desesperadamente procurando por ela.

Quando Dara não responde Nick e nem aparece na comemoração do próprio aniversário, Nick tem a certeza de que os desaparecimentos da garotinha e de Dara estão interligados. E Nick fará de tudo para recuperar a própria irmã, principalmente agora que ela decidiu pedir perdão e se aproximar de Dara (só aviso logo que o sumiço da Dara acontece bem mais pra frente no livro. Comento porque vi que teve gente que detestou achando que seria a primeira coisa a acontecer)

Não sei como é o relacionamento de vocês com suas/seus respectivas(os) irmãs e irmãos e nem sei se quem está lendo esta resenha tem algum irmão, mas se você tiver um irmão com uma idade (principalmente) próxima, te garanto que é uma montanha-russa de sentimentos e emoções. Este livro, em específico, me afetou bastante, porque eu e minha irmã tivemos uma briga (nem lembro o motivo?) e passamos anos morando na mesma casa, dividindo o mesmo quarto e apenas nos tolerando, mas de uma forma que nem a gente sabe entender, a gente continuava/continua se amando (na época que só conversávamos o necessário, tive que fazer uma cirurgia de apêndice e minha irmã chorava tanto que EU precisei acalmá-la).

A relação de Nick e Dara é muito destrutiva e co-dependente e eu e minha irmã não temos um laço turbulento neste nível, contudo, me identifiquei bastante com a Nick, que fez todas aquelas loucuras e se arriscou de forma insana para descobrir onde estava Dara ainda que elas estivessem brigadas, porque é algo que eu completamente faria pela minha irmã. Então quando finalmente cheguei no final do livro, tudo o que aconteceu desde o acidente acabou comigo e chorei tanto que acordei com a cara inchada horas depois.

vma-crying-8

Como comentei no início, a narrativa da Lauren Oliver prende de tal forma que é quase impossível largar o livro (não soltei a Carlota Joaquina em nenhum momento até que Vanishing Girls acabasse, por exemplo) e é incrível o quanto ela se arrisca com esse suspense YA ao unir duas histórias em uma, ao criar uma teia de aranha com cada acontecimento e ao escrever uma história com dois pontos de vista e algumas notícias e tudo de forma não-linear. Se a Lauren tivesse cometido qualquer errinho no meio do caminho, o livro não teria sido tão bom e poderia ter virado uma grande bagunça.

Vanishing Girls foi um dos piores/melhores livros que já li na minha vida e até o momento, é o meu favorito da Lauren Oliver por ter bagunçado tanto com a minha cabeça e os meus sentimentos de uma forma tão linda e horrível e maravilhosa que não tenho nem palavras para descrever todas as minhas emoções com este livro. Só sei que amei/odiei com todas as minhas forças! <3

Acredito que quem gostou de Garota Exemplar da Gillian Flynn e Mentirosos da E. Lockhart talvez goste bastante de Vanishing Girls (não li Mentirosos para afirmar com certeza, estou comentando por cima do que sei do enredo do livro).

Classificação: Quatro irmãs problemáticas

Conhecendo os animes da Primavera de 2015 – Parte 1

7 de abril de 2015 às 20:01, por

VAMOS FALAR DE ANIMES?

Eu e a Bell amamos animes e conversamos sobre animes e indicamos animes um ao outro (ok, é mais ela me recomendando 8 milhões de Shoujos legais, mas enfim). Ainda mais agora que começou uma temporada nova a gente fica mega empolgado com o assunto!

Mas é sempre difícil escolher o que assistir, já que a quantidade de lançamentos é absurda e Deus sabe que o que mais falta na nossa vida é tempo. São histórias que irão nos acompanhar pelos próximos meses e talvez façam parte da nossa vida para sempre, então é uma decisão que importa muito para quem realmente gosta e sabe que não pode assistir mais do que um ou dois títulos.

mlfw10087-403746__safe_oc_animated_derpy252Bhooves_meme_drama_fluffle252Bpuff_vibrating_screaming_x252Bintensifies

Então pensamos: talvez compartilhar o que a gente tá achando dos primeiros episódios que a gente decidiu ver possa ajudar alguém a escolher o que ver.

Então foi o que a gente fez! (SIM, TUDO ISSO SÓ PRA EXPLICAR QUE É UM POST DE PRIMEIRAS IMPRESSÕES)

Alguns avisos antes de começarmos:

1-) O NUPE não é um blog especializado nesse nicho e esse post não pretende tentar cobrir toda a temporada. A seleção final é resultado do nosso gosto pessoal.

2-) O que você lerá são impressões pessoais sobre primeiros episódios, nada que deva ser tomado como verdade absoluta. Cabe a você descobrir até que ponto pode confiar em nossas opiniões.

3-) Eu já não tinha o que falar, mas gosto de sempre pontuar três coisas, então pra não ficar em branco toma uma batata:

f6dcd140d8fe6158dfafddf726ff0eb6


Gunslinger Stratus; Sci Fi, AçãoGunslinger-Stratos-The-Animation-Poster-Promocional

Diego: Duas realidades estão se fundindo e agora todo mundo vai começar a se matar – literalmente, já que o lance aqui é derrotar você mesmo da outra dimensão. A premissa é legal e prendeu minha atenção o suficiente para me fazer voltar semana que vem.

A animação é extremamente inconsistente. Tipo, quando começou a abertura, que é bem melhor acabada, eu até me perguntei se era o mesmo anime. Mesmo os protagonistas parecem ter um acabamento completamente diferente dependendo da cena – a única coisa que se salvou são os momentos de ação, que são até bem fluidos.  AH, e meu Deus que PREGUIÇA de anime em que só os personagens principais tem cabelos coloridos e o resto do mundo é moreno. A história parece interessante, com um tom sci fi que me lembrou um pouco de “O doador de memórias” a principio – inclusive tem uma coisa de eles analisarem as capacidades de cada pessoa pra atribuírem a profissão perfeita a elas. Eu gostei. Estou curioso pra conhecer a dinâmica do “outro universo”. Se o primeiro é meio distópico, esse parece pós-apocalíptico e achei isso bem legal.O começo foi lento e deixou muita coisa em aberto – teve muita cena que ficou ainda sem explicação, já que a premissa não terminou de ser apresentada no episodio, então não dá para tirar uma conclusão.

Pretende acompanhar: talvez, realmente não consegui me decidir com esse..


115803lShokugeki no Souma; Comédia, Ecchi, Shounen

Bell: Eu não costumo acompanhar shounens em geral porque… bem, nunca me interesso pelas sinopses. Ecchi então, nem chego perto. Mas o que me motivou a ver Shokugeki no Souma foi o fato de TER COMIDA. E pessoas tendo orgasmos com comida, porque, né, COMIDA>>>>. Eu devia saber no que eu tava me metendo, mas não. Enfim, foi uma experiência estranha e bizarra e me perguntei várias vezes porque decidi assistir a isso. Os primeiros quatro minutos me desagradaram muito, principalmente por causa de uma referência à tentacle porn e eu teria largado aí, mas continuei assistindo porque EU ME COMPROMETI COM ESSE POST!! Daí tem um enredo bizarro de uma agente imobiliária tentando fechar o restaurante e o Souma fazendo um assado de carne que resulta na cena mais ESTRANHA que já vi em anime, com molho de carne e pessoas peladas e… que é isso, gente. O final parece mais promissor e encaminha a história para um rumo mais coerente, mas sei lá. Não foi um tipo de humor que me agradou, embora tenha tido vontade de testar a receita que ele faz no episódio.

A animação é boa, o visual da comida é ótimo, mas, como sempre, parece que animes não conhecem o funcionamento de peitos e bundas. Há um público que provavelmente vai adorar, mas eu não faço parte dele.

Pretende acompanhar: provavelmente não, porém verei mais um episódio antes de decidir.

Diego: Quando eu decidi assistir o piloto de Souma, eu sabia que ele seria ruim. Eu esperava que ele fosse ruim. Eu estava procurando algo engraçado e absurdo que envolvesse comida para me entreter – nada que exigisse grande investimento. Não foi o que eu achei. Desde o começo tudo o que esse anime apresentou foram cenas bizarras e desconfortáveis. Ecchi gratuito e extremamente forçado, pessoas tendo orgasmos comendo e cenas surreais como uma menina sendo violada por uma lula e homens recebendo jatos de suco de carne em suas genitais – ambas analogias para o quanto um prato foi ruim ou bom, respectivamente. Tipo, esse anime leva o termo foodporn totalmente para o lugar errado.

Mais adiante a coisa melhora. Um enredo mais consistente toma forma e a maneira como eles transformam o preparo de comida em algo dramático é bem divertido (bem mais na linha do que eu estava procurando). A animação é bem feita e a comida é tão bonita que dá fome. O problema é saber se esses absurdos foram um excesso isolado ou um elemento narrativo constante na série. Se for confirmada a segunda hipótese,  e eu suspeito que ela será, sem chances de eu continuar assistindo.

Pretende acompanhar: provavelmente não. Mas ainda assistirei outro episódio pra me decidir.


Owari-no-Seraph-Poster-PromocionalOwari no Seraph; Drama, Shounen, Sobrenatural

Bell: Eu sei que a sinopse desse anime fala que todo mundo morre, mas eu não esperava que todo mundo morresse mesmo, sabe. A história foi tão envolvente que mal vi o tempo do episódio passar e, quando terminou, eu tava gritando sobre como o mundo era injusto e como queria mais episódios. Então, é, eu gostei e muito. Adoro histórias como essa tanto quanto amo fantasia e parece que será um bom anime. A exposição da origem da história foi bem feita, embora tenha achado que o salto temporal que dá não ficou bem claro.

Apesar disso, a animação do início é meio esquisitinha, mas melhora ao longo do episódio. Ainda estou me sentindo pessoalmente ofendida pelo que aconteceu, mas superarei ao longo da série (espero).

Pretende acompanhar: SIM, DESDE QUE NÃO ME MATE DE FEELS.

Diego: MEU DEUS, POR QUE O TEMPO NÃO PARA DE PASSAR?! Esse episodio cobriu um espaço de tempo de oito anos. OITO. ANOS. Eu não sou muito fã de episódios iniciais de flashback, mas esse foi MUITO BOM! Apresentou o protagonista, definiu a premissa da série muito, muito claramente e foi completamente envolvente. Diria até mais que isso: foi intenso. Ele é incrivelmente bem animado (apesar do começo ficar um pouco confuso com os saltos temporais) e OMFGNSF, os FEELS ;-;. Sério, eu estou destruído. E um anime conseguir causar isso logo no primeiro episódio é, no mínimo, digno de nota.

Sério, depois de tudo que esse anime já tirou de mim em apenas vinte minutos, eu me sinto moralmente obrigado a acompanhar a vingança de Yuu. Sério, tem vários mistérios para serem desvendados, coisas para serem descobertas e tudo o mais, mas nada disso importa. Eu estou emocionalmente investido. Meus sentimentos exigem vingança!

Se eles forem capazes de continuar mexendo comigo desse jeito, tem chances de ser o melhor da temporada – só não precisam ser tão cruéis sempre, por favor.

Pretende acompanhar: COM TODA A CERTEZA!


Arslan-Senki-Poster-promocional-2Arslan Senki; Aventura, Drama, Fantasia

Bell: Esse anime é baseado num mangá da mesma autora de Full Metal Alchemist, e é uma adaptação de uma série de livros muito famosa no Japão. Antes de ver, não li nem a sinopse porque eu adoro tudo que a Hiromu Arakawa escreve — FMA é um dos meus animes/mangás favoritos e eu amo muito Silver Spoon. Então não sabia o que esperar da história além de uma aventura de fantasia (que eu provavelmente iria gostar) e fiquei surpresa em ver que é exatamente o tipo de história que eu amo! Esse primeiro episódio é uma boa apresentação, ligeiramente não linear, mas que faz um ótimo trabalho em introduzir os personagens mais importantes e o plano de fundo. É bem dinâmico e deixou um gostinho de quero mais. Só tive alguns problemas com a animação da batalha com a qual o anime começa, porque achei os soldados bem estáticos. Além disso, também tive problemas com os peitos da rainha porque GENTE PEITOS NÃO FUNCIONAM ASSIM. MAS TUDO BEM.

Pontos Positivos: caras gatos, diversidade, reinos!!!, protagonista legal.
Pontos Negativos: CADÊ OS OUTROS EPISÓDIOS?

Pretende acompanhar: sim!

Diego: Eu demorei pra decidir o que eu achei desse anime. Até ia passar batido por ele, não fosse a Bell ter comentado que era da mesma autora de Full Metal Alchemist. Eu achei o episodio morno. Não foi aquela coisa OH MEU DEUS QUE INCRÍVEL que eu normalmente espero de um primeiro episodio, mas ele propos algo que eu simplesmente não poderia ignorar. A história parece muito interessante, deu vontade de ir atrás do livro no qual é inspirada. A animação é bem feita, salvo quando eles decidem usar CG (especialmente nos soldados).

O que me frustrou um pouco é que eu não sou fã de primeiros episódios de flashback, mas isso é superável.  O episodio é bem introdutório mesmo, contando um acontecimento que se passa três anos antes da história, e estabelece perfeitamente a premissa. Dá pra entender bem quem é o Arslan e ver o tipo de reflexão sobre disparidades culturais (MUITO BOA, diga-se de passagem) que parece que vai ser a base da série. É só que eu fiquei pensando: hum… por que não começou logo 3 anos depois? Sabe, em alguns animes começar com flashbacks é até bem justificável (favor ler Owari no Seraph para mais informações), mas quando eu olho esse episódio, não consigo enxergar uma boa razão, em termos de narrativa, que justifique a decisão. Talvez fique mais claro posteriormente ou talvez não tenha nenhum motivo mesmo. No final é só questão de opinião. Mas a série parece que será ótima.

Pretende acompanhar: sim!


fatestay-night-unlimited-blade-works-movie-poster-2006-1020671879Fate Stay Night Unlimited Blade Work; Ação, Fantasia, Mahou

Diego: Minha relação com Fate Stay Nigh já é de longa data, então eu talvez não seja a pessoa mais imparcial para julgar. Por se tratar de uma continuação de uma série que já acompanhava, não houve grandes surpresas em termos de qualidade de animação ou roteiro – ambos de grande qualidade na minha opinião. Mas o legal é que para além de retomar a história, eles souberam como nos prender dando uma reviravolta incrível na série que soa como uma nova premissa.

O episodio foi incrível, desenvolveu bem os personagens, especialmente a Rin. A história seguia o rumo lógico depois do final da primeira parte da série. Só que daí tudo muda. Eu não vou entrar em detalhes, mas eu basicamente: MEU DEUS. Fate Stay Night nunca é óbvio, e essa animação tem meu amor eterno por realmente não subestimar a audiência, mas MEU DEUS! Eu tô tentando por meu queixo de volta no lugar até agora, apenas. O que aconteceu simplesmente muda tudo o que se espera da série. Não faço ideia de como a história vai ser continuada, e esse é um lugar excelente para se jogar sua audiência no começo de uma nova temporada. Não se deixe enganar caso você tenha assistido a animação de 2006, UBW conta uma nova versão da história, muito mais intensa e dramática

Pretende acompanhar: sim!


 69353lKekkai Sensen; Ação, Sobrenatural

Diego: Que animezinho doido. Sério, eu achei a premissa muito legal, especialmente por se passar em Nova York. É meio cliché essa coisa de você usar Nova York como polo de diversidade e extravasar isso pro sobrenatural. Já vi isso sendo em outras mídias de forma exemplar. Ainda assim, é o tipo de proposta que me atrai. Kekkai Sensen, no entanto, é louco demais. Do tipo, a convivência com criaturas extraordinárias (que aparentemente não obedecem nenhuma regra mágica especifica, são realmente uma miscigenação holística) é até legal, mas a falta de noções claras sobre o que eles são e podem fazer torna tudo confuso demais.

Mil coisas aconteceram sem nenhuma razão aparente, o protagonista entrou em uma organização que combate o mal por ser confundido por outra pessoa e ele tem olhos de Deus por que algo estranho aconteceu quando ele visitava as fronteiras da cidade seis meses antes. Algo aconteceu com sua irmã, que pode ou não ser a morte, já que ela aparece no começo do anime lendo cartas dele, mas ao mesmo tempo isso não necessariamente significa nada em um universo em que tudo pode acontecer. Foi tudo corrido, confuso e estranho.

A animação é muito bem feita e o traço é ótimo, mas o anime parece pegar todos os clichés de battles shounens e jogar em um lugar só sem se preocupar com contextualização. Não curti.

Pretende acompanhar: não.


833399-plastic_memories_largePlastic Memories; Sci Fi

Diego: Esse anime não era nada do que eu esperava, com toda a certeza. A história gira em torno dessa subdivisão de uma empresa de robôs que precisa coletar um certo modelo chamado giftia, que possui uma alma sintética mas só consegue se manter funcional por cerca de nove anos – depois disso, suas memórias começam a falhar e sua personalidade se transforma.

A premissa é interessante, mas o episódio não convenceu. Achei o design fraco, a animação bem ruim e a história mal desenvolvida – meu deus, que preguiça de animes que começam com “MESMO NÃO SABENDO SEU NOME EU JÀ SABIA QUE A AMAVA”. O enredo da estréia é forçado e não emociona – embora tenha potencial para tal, fosse feito de outra forma. O episódio não tem ritmo, com um humor capenga e esquisito atrapalhando a narrativa. A única coisa que manteve meu interesse foi a protagonista, Isla, que tem uma personalidade interessante, está envolta em mistérios desde a primeira cena e faz umas reflexões legais aqui e acolá.

Pretende acompanhar: provavelmente não, mas darei outro episódio para ela me convencer do contrário.


549896Uta no Prince; Comédia, Shoujo, Escolar

Bell: Essa é a terceira temporada de um anime baseado numa visual novel voltada para o público feminino. Não, eu nunca vi nenhuma das outras temporadas. Sim, eu tenho uma queda por animes baseados em otome games porque eles são tão adoravelmente bregas e ridículos. SINTO MUITO, EU NÃO ESCOLHI A VIDA LOKA, A VIDA LOKA ME ESCOLHEU.

Enfim, os primeiros 16 minutos dos 24 do episódio são passados reapresentando os personagens e eu perdi a conta de quantos são no sétimo. É MUITO HOMEM, VELHO. E eu sempre consigo saber qual é o que a mocinha vai ficar no final, mas eles conseguiram plantar a dúvida entre três. Embora tenha sido divertido ver eles falando coisas como “Minha ovelhinha, você voltou para mim” de forma não irônica, ou “Achei que você fosse uma ilusão causada pela paixão do meu coração”, é bem irritante que em mais da metade do episódio não tenha direção clara sequer no romance. As coisas começam a mudar a partir do minuto 16, naquele esquema clichê do Diretor excêntrico que aparece para dar uma notícia — nesse caso, uma apresentação num evento de esporte muito importante no Japão. Entendi que os 1500 homens se dividem em dois grupos, o Quartet Night e o Starish e o Starish também quer uma chance. OBA, COMPETIÇÃO!

Eu poderia fazer um recap desse anime como fiz com KamiAso porque tem muita cena hilária/sem noção/maravilhosa. No geral, a sensação que tive foi que estava tentando memorizar o nome de todo mundo do Super Junior, ao mesmo tempo em que rendeu ótimas gargalhadas. Apesar de estar chegando na terceira temporada, dá para entender o contexto direito indo na wikipedia e descobrindo sobre o que se trata o jogo. Em termos mais técnicos, a animação peca por repetir os fundos demais (principalmente aquele das flores de cerejeiras caindo, todo mundo já entendeu) e teve uma cena em que todos os 156 integrantes do Starish repetiram “Revolution?” SÓ QUE AÍ ENTRA O ENCERRAMENTO COM ELES CANTANDO LOVE REVOLUTION E COMO ODIAR??????

Pretende acompanhar: Sim, porque vai ser uma jornada hilária. Mas se o semestre apertar, provavelmente vai ser a primeira que vou largar.


E é isso aí. Esses foram os lançamentos do final de semana. Espero que tenham gostado. Tem ainda uma segunda parte, mas a partir de agora os lançamentos começam a ficar mais espaçados, então tenham paciência com a gente por que vai demorar um pouquinho para juntar material suficiente para o segundo post, ok?

Lançamentos de Abril em português!

6 de abril de 2015 às 20:30, por

Lançamentos de Abril

Já falamos dos lançamentos dos livros em inglês desse mês, então agora é a hora de falar dos lançamentos em português aqui no Brasil, que ficam muito mais acessíveis porque né, não tem dólar envolvido.

Vamos falar um pouquinho mais de cinco lançamentos, mas listamos todos os que achamos mais interessantes e que você poderiam gostar.

Uma noite para se entregar – Tessa Dare

“Spindle Cove é o destino de certos tipos de jovens mulheres: bem- nascidas, delicadas, tímidas, que não se adaptaram ao casamento ou que se desencantaram com ele, ou então as que se encantaram demais com o homem errado. Susanna Finch lidera as jovens que lá vivem, defendendo-as com unhas e dentes, descobrindo e desenvolvendo seus talentos. O lugar é bastante pacato, até o dia em que chega o tenente-coronel do Exército Britânico, Victor Bramwell. Susanna não quer aquele homem invadindo sua tranquila vida, mas Bramwell não está disposto a desistir de conseguir o que deseja. Então os dois se preparam para se enfrentar e iniciar uma intensa batalha! O que ambos não imaginam é que a mesma força que os repele pode se transformar em uma atração incontrolável.”

Editora: Gutenberg
Lançamento: 01/04

É um fato conhecido que o povo aqui do NUPE adora romances históricos e ama a Tessa Dare, então o primeiro volume da série Spindle Cove não podia ficar de fora da lista dos principais lançamentos do mês! A Val já fez resenha aqui no blog e eu to só esperando chegar nas livrarias para comprar o meu <3

Skoob | Goodreads | Amazon: físico

 

Alif, o invisível – G. Willow Wilson

“Em um estado de exceção no Oriente Médio, um jovem hacker que atende pelo nome de Alif – a primeira letra do alfabeto árabe – oferece seus serviços a grupos de dissidentes sob observação do governo e faz o possível para se manter longe de problemas. Mas quando seu computador é invadido pela força de segurança eletrônica do Estado e ele se torna um foragido político, Alif se lança em uma aventura que oscila entre o digital e o físico, o real e o fantástico, o visível e o oculto.
Mergulhado em um mundo invisível muito diferente do digital, o hacker precisará colocar em xeque suas crenças e arriscar o próprio pescoço para impedir que um antigo e precioso livro caia nas mãos erradas.”

Editora: Fantástica Rocco
Lançamento: 07/04

Confesso que nesse eu estou muito mais interessada pela autora do que pelo enredo em si. A história de Alif parece sensacional e cheia de ação, mas não dá pra ignorar o fato de que G. Willow Wilson é a autora da série de quadrinhos da nova Ms. Marvel, a Kamala Khan. Não precisa falar mais nada.

Skoob | Goodreads | Amazon: ebookfísico | Kobo

 

A Cidade Murada – Ryan Graudin

“Hak Nam é uma cidade murada de ruas estreitas e sujas, onde vivem traficantes, assassinos, prostitutas e ladrões. É também onde mora Dai, um garoto cujo passado o assombra e o mantém preso naquele lugar horrível. Para alcançar a liberdade, ele terá de se envolver com a principal gangue ali dentro e formar uma dupla com alguém que consiga entregar drogas muito, muito rápido. Alguém como Jin, uma garota ágil e esperta que finge ser um menino para conseguir sobreviver e continuar a busca por sua irmã, Mei Yee. Confinada num bordel, Mei Yee está mais perto do que Jin imagina. Ela passa os dias sonhando em fugir… até que Dai cruza seu caminho.”

Editora: Seguinte
Lançamento: 23/04

Mais que uma distopia, a cidade de Hak Nam, do livro, é baseada em uma cidade que existiu de verdade na China até os anos 1990! Parece ser um livro cheio de ação e e tensão e, com as cidades superpopuladas de hoje em dia, podemos ver uma realidade não muito longe da nossa. Eu adoro a capa americana, mas o nível de detalhes da capa nacional é impressionante e a própria autora ficou apaixonada!

Skoob | Goodreads | Amazon: físico

 

Léxico – Max Barry

“Uma organização treina jovens talentosos para controlar a mente e o comportamento das pessoas usando combinações específicas de palavras. Os iniciados deixam suas verdadeiras identidades para trás e passam a usar nomes de grandes poetas.
Identificada como um prodígio na arte da persuasão, Emily Ruff, que ganha a vida com truques de cartas nas ruas de São Francisco, é enviada para o treinamento em uma das sedes da organização e começa a aprender a técnica mortal. Wil Parke, carpinteiro, sofre de amnésia. Um dia ele já soube o significado da palavra com o poder de colocar o planeta em risco.”

Editora: Intrínseca
Lançamento: 27/04

Imagina que maneiro você conseguir fazer várias coisas maneiras só usando palavras? E como deve ser perigoso você poder usar palavras como armas? Eu to de olho nesse livro desde o lançamento dele lá fora e vi muitas resenhas positivas, então eu fiquei super feliz em saber que a Intrínseca vai lançá-lo por aqui esse mês!

 Skoob | Goodreads | Amazon: ebookfísico Kobo

 

Memória da Água – Emmi Itäranta

“Num futuro distante, depois de muitas guerras, a Europa foi dominada pela China, e o bem mais precioso dos tempos antigos se tornou tão escasso quanto a liberdade. A água passou a ser controlada e distribuída em cotas pelos militares. Noria é filha de um mestre do chá, uma profissão muito antiga que tem conhecimento sobre a localização das nascentes de água. Ela está sendo treinada para substituir o pai, e dentre todos os ensinamentos, ele revela à filha seu maior segredo: uma fonte natural escondida que fornece água para a família. Desamparada em um mundo destruído, ela começa a questionar o significado de tamanho privilégio. Guardar esse segredo é negar ajuda ao restante de população, e ajudá-los é colocar em risco a própria vida: os militares punem severamente quem for descoberto desfrutando de alguma fonte ilegal de água. Como o pai a ensinou, é preciso ter sabedoria para compreender o verdadeiro poder da água. Mas Noria também aprendeu que a sabedoria representa, acima de tudo, o poder de decidir seu próprio destino, a escolha entre lutar e se entregar.”

Editora: Galera Record
Lançamento: 28/04

O papel da distopia, num geral, é fazer um paralelo com a nossa realidade e mostrar os perigos de algumas atitudes e pensamentos. Com a água como um bem cada vez mais valioso, esse livro mostra um tipo de distopia que está cada vez mais perto da nossa realidade e que muda completamente a distribuição de poder no mundo. Minha internacionalista interior tá dando pulinhos pra ver como ela vai desenvolver as relações entre os países e, melhor ainda, NÃO É UMA TRILOGIA!

Skoob | Goodreads | Amazon: ebookfísico | Kobo

 

Outros lançamentos do mês:

(clique nas capas para ir para a página da Amazon de cada um)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Convocação: Hangout do Clube do Livro amanhã!

4 de abril de 2015 às 22:39, por

Announcement (2)

SIM, ESTÁ ACONTECENDO!
Algum tempo atrás noticiamos que iríamos iniciar um Clube do Livro e que o primeiro livro seria Seraphina, da Rachel Hartman. Abrimos um grupo no facebook para iniciar as discussões!

Hoje estou aqui para convidar vocês todos a se juntarem ao nosso hangout regado a chocolate nesse domingo de páscoa, dia 05/04! Mesmo que não tenha lido o livro, venha nos ver discutindo sobre ele (e brigando com o Lucas, é claro). Acontecerá no nosso canal, que pode ser acessado AQUI!!!!!! Ainda estamos trabalhando nele, mas podem se inscrever para acompanhar nossos vídeos futuros.

Enfim, o hangout deve se iniciar às 17h e durará aproximadamente uma hora. Dividiremos a discussão entre sem spoilers e com spoilers, com um aviso claro para aqueles que não leram o livro e não querem saber detalhes sobre o enredo quando começarmos a fazer revelações sobre a história do livro. Iremos ter a participação de vocês, via twitter e via os comentários no hangout, então apareçam.
As perguntas serão lidas ao final, na ordem que forem sendo feitas, para podermos comentar usando spoilers.

Na segunda-feira teremos a resenha dos membros do blog que leram o livro por aqui também, com o vídeo do hangout para vocês verem. É isso! Espero vê-los amanhã!

Lançamentos de Livros em Inglês – Abril!

1 de abril de 2015 às 21:40, por

Pro Tip

O mercado editorial do Estados Unidos funciona com uma antecedência absurda e tem um monte de livros que a gente adiciona nas nossas listas de “quero ler” quando sai a capa, porém esquece da data de lançamento. Também tem várias pessoas que não conseguem acompanhar o dinamismo das publicações estrangeiras e, pensando nisso, decidimos fazer mensalmente um post com os lançamentos do mês nos EUA. Vamos selecionar alguns dentro dos gêneros que gostamos — então o foco será Young Adult, Fantasia, Sci-Fi e Romance em geral.

Abril marca início da “temporada” de primavera nos EUA e tradicionalmente tem lançamentos menos hypados. Os lançamentos mais importantes acontecem entre Maio e Outubro, que pegam o verão e o início das aulas lá, mas não quer dizer que não existam títulos interessantes.

Young Adult& Middle Grade

Untitled design (3)

The Cemetery Boys, Heather Brewer

Sinopse:  Quando Stephen é forçado a voltar para a cidadezinha em que seu pai cresceu, ele já tem certeza que não vai gostar.  Spencer, Michigan, é uma cidade saída de um filme do Hitchcock, com pessoas antiquadas que vêem tudo branco no preto. Mas as coisas parecem melhorar quando Stephen conhece os gêmeos Cara e Devon.  E quando o novo grupo de amigos de Stephen começa a frequentar o cemitério começa a fazer atividades cada vez mais loucas, o garoto começa a se preocupar.
Data de Lançamento: 30/03

The Girl at Midnight, Melissa Grey

Sinopse: Sob as ruas de Nova Iorque vivem os Avicen, uma raça antiga de pessoas com penas como cabelos e a magia correndo em suas veias. Feitiços antigos os mantém escondidos de todos os humanos, menos um. Echo é uma ladra fugitiva que sobrevive vendendo tesouros roubados no mercado negro, e os Avicen são a única família que conhece.
Quando uma guerra secular ameaça alcançar a sua casa, Echo decide que é hora de agir. A lenda é que há uma forma de acabar o conflito de uma vez, para sempre: encontrar o Firebird, uma entidade que possui um poder inimaginável. Não será fácil, mas a vida como ladra ensinou a Echo como caçar o que quer… e como capturá-los. Mas alguns trabalhos não são tão simples como parecem – e esse pode ser o que vai colocar o mundo em chamas.
Data de Lançamento: 28/04

An Ember in the Ashes, Sabaa Tahir

Sinopse: Ambientado em um mundo brutal parecido com Roma, An Ember in the Ashes é um livro de fantasia sobre uma órfã lutando pela sua família e um soldado lutando por sua liberdade.
Quando o irmão de Laia é preso por traição, ela se passa por um escravo na maior academia militar do império em troca de assistência de pessoas que prometem salvar seu irmão da execução. Elias é um dos melhores soldados da academia — e, secretamente, o que mais a detesta. Elias considera abandonar os militares, mas antes que possa, é escolhido para participar no concurso que irá escolher o próximo emperador.
Seus caminhos se cruzam e descobrem que seus destinos estão mais entrelaçados do que poderiam imaginar e suas escolhas podem mudar a face do império em que vivem.
Data de Lançamento: 28/04

Untitled design (4)

Rook, Sharon Cameron

Sinopse: A história sempre se repete. Na Sunken City que um dia foi Paris, todos os que são contra a nova revolução estão sendo executados — com exceção daqueles que desaparecem das suas celas, substituídos por uma pena de gralha com a ponta vermelha. Seria a misteriosa Gralha Vermelha uma salvadora dos inocentes ou uma criminosa?
Enquanto isso, do outro lado do mar, na Commonwealth, o casamento arranjado de Sophia Bellamy com o rico René Hasard é a última chance da garota salvar sua família da ruína. Mas quando a busca pela Gralha Vermelha bate em sua porta, Sophia descobre que seu noivo não é  o que aparenta ser. O que é justo, porque ela também não é.
Enquanto a Gralha Vermelha fica mais ousada, Sophia e René se vêem presos em um jogo emocionante de gato e rato.
Data de Lançamento: 28/04

Simon vs The Homo Sapiens Agenda, Becky Albertalli

Sinopse: Simon Spier, 16 anos e não tão fora do armário assim, prefere guardar seus arroubos dramáticos para o musical da escola. Mas quando um email cai nas mãos erradas e seus segredos estão prestes a ser revelados, Simon cai numa chantagem: se ele não arrumar o palhaço da turma com a sua melhor amiga, sua sexualidade vai se tornar o assunto de todo mundo. Pior ainda, a privacidade de Blue, o seu correspondente oculto, irá ser ameaçada.
Com a dinâmica entre seus amigos ficando cada vez mais confusas e seus emails com Blue cada vez mais cheios de flerte, o segundo ano de Simon está bem mais complicado. Agora, o garoto tão averso à mudanças precisa sair da sua zona de conforto antes que alguém o empurre — sem perder seus amigos,  se colocar em risco ou arruinar a chance da felicidade com o cara mais confuso e adorável que ele já conheceu.
Data de Lançamento:  07/04

Challenger Deep, Neil Shusterman

Sinopse: Calden Bosch está em um navio rumando para o ponto mais profundo da Terra: Challenger Deep, a parte sul das Fendas Mariana.
Caden Bosch é um estudante brilhante do ensino médio cujo comportamento estranho começa a ser percebido pelos seus amigos.
Caden Bosch é o artista do navio, documentando a jornada com imagens.
Caden Bosch finge se juntar ao time de corrida da escola, mas gasta seus dias andando por quilômetros, absorto nos pensamentos em sua cabeça.
Caden Bosch está dividido entre a lealdade a seu capitão e a ideia sedutora de um Motim.
Caden Bosch está partido.
Data de Lançamento: 21/04

Untitled design (5)

None of the Above, IW Gregorio

Sinopse:  E se tudo o que você sabe sobre si mesma mudasse num instante?
Quando Kristin Lattimer é escolhida como Rainha do Baile, parece que outro pedaço da sua vida ideal se encaixou. Ela é uma saltadora de obstáculos premiada com uma bolsa completa da faculdade e está insanamente apaixonada pelo seu namorado. Na verdade, ela decidiu levar as coisas para o próximo nível com ele.
Mas a primeira vez de Kristin não é o momento perfeito que planejou — algo está muito errado. Uma visita ao médico revela a verdade: Kristin é intersexuada, o que significa que apesar de parecer com uma garota, ela tem os cromossomos de um rapaz, sem contar com “partes” de garoto.
Lidar com seu corpo já é difícil o suficiente, mas quando seu diagnóstico vaza para toda a escola, sua identidade é questionada. Será que ela consegue se aceitar da forma que é?
Data de Lançamento: 07/04

Omega City, Diana Peterfreund

Sinopse: Gillian Seagret não ouve as pessoas que dizem que seu pai é pinel. Suas teorias da conspiração sobre as tecnologias perdidas da Guerra Fria podem ter lhe custado o seu trabalho e o forçado a se mudar para o meio do nada, mas Gillian sabe que ele está certo e planeja provar. Quando ela descobre uma página perdida de um diário na bagunça e seu pai, ela acha que encontrou uma peça importante do quebra-cabeças, uma pista para a maior invenção do Dr. Underberg, um cientista da época da corrida espacial. Com a ajuda de seus amigos, Gillian vai até as ruínas da Omega City, um bunker anti-apocalipse escondido no meio do nada. Mas eles não parecem estar sozinhos nos corredores de Omega City…
Data de Lançamento: 28/04

Zeroboxer, Fonda Lee

Sinopse:  Uma estrela em ascensão no esporte do zeroboxing, Carr “The Raptor” Luca sonha em ganhar o campeonato. Reconhecendo o seu talento, a Associação da Luta na Gravidade Zero coloca Risha, uma ambiciosa colona marciana, para ser sua brandhelm––uma estrategista de marketing pessoal. Não demora muito até que ela transforme Carr em uma celebridade e roube seu coração. Conforme sua fama cresce, Carr se torna um herói inspiracional na Terra, que costumava ser um planeta maravilhoso mais foi ofuscado pelas suas colônia smais prosperas. Mas quando Carr descobre um esquema criminoso, ele guarda um segredo devastador. Não só suas escolhas irão colocar tudo o que ama em perigo, mas também podem fazer com que a violência do ringue vaze para o sistema solar.
Data de Lançamento: 08/04

Histórico, Fantasia e Sci-Fi

23503The Alchemist’s Daughter, Mary Lawrence
Sinopse: No ano de 1543, no reino turbulento de Henrique VIII, a filha de um notório alquimista é suspeita de um assassinato a sangue frio…
Bianca Goddard usa seu conhecimento de ervas e plantas medicinais para fazer remédios para os pobres de Londres. Mas quando sua amiga Jolyn aparece reclamando de dores severas no estômago, a prescrição de Bianca a mata quase instantaneamente. Recuperada do choque, Bianca suspeita que Jolyn pode ter sido envenenada antes — mas as autoridades não parecem concordar com ela.
Para limpar o seu nome e salvar seu pescoço da forca, Bianca precisa aplicar seu conhecimento das artes curativas para deduzir exatamente como sua amiga foi morta e por quem, antes que ela mesma sofra um destino semelhante…
Data de Lançamento: 28/04

23634011Rolling in the Deep, Mira Grant

Sinopse: Quando a Imagine Network encomendou um documentário sobre sereias, para ser filmado do cruzeiro Atargatis, esperavam o que sempre receberam antes: um grupo de testemunhas visuais que não provam nada, filmagens que provavam menos ainta e o tipo de audiência que vinha de insinuar criaturas imaginárias para as massas.
Eles não esperavam sereias de verdade. E certamente não esperavam que essas sereias tivessem dentes.
Data de Lançamento: 07/04

 

graceThe Grace of Kings, Ken Liu

Sinopse: Kuni Garu, bandido charmoso e Mata Zyndu, o rígido e destemido filho de um duque deposto, parecem opostos. Ainda assim, na revolta contra o imperador, os dois rapidamente se tornam melhores amigos depois de uma série de batalhas contra  exércitos, aeronaves cobertas em seda, pipas de batalha, deusas conspiradoras, navios subaquáticos e livros mágicos. Quando o imperador é deposto, entretanto, os dois se vêem como líderes de duas facções distintas — dois lados com ideias bem diferentes de como o mundo deveria funcionar e o significado de justiça.
Data de Lançamento: 07/04

 

acrown A Crown for Cold Silver, Alex Marshall
Sinopse:  20 anos atrás, a temível general Cobalt Zosia liderou seus cinco capitães vilanescos e seu exército mercenário na batalha, derrotando monstros e derrubando um império. Quando não haviam mais títulos para ganhar nem mais mundos para conquistar, ela se aposentou e desistiu de seu legado e história. Agora a paz que ela fez para si foi destruída com o massacre de sua vila. Buscando vingança, Zosia parte para a batalha mais uma vez, mas para ter justiça, ela precisa enfrentar inimigos, ex-aliados e um exército desconhecido que marcha sob uma bandeira conhecida.
Data de Lançamento: 14/04

 

E aí, gostaram da seleção? Quais vocês querem ler? Quais estão morrendo de vontade de ver no Brasil?

Encontro Intergaláctico Aleph – Novos Lançamentos!

28 de março de 2015 às 15:02, por

Ontem eu (Lucas) e a Tassi estivemos no Encontro Intergaláctico com os editores da Aleph, essa editora linda que é a principal referência na publicação de ficção científica no Brasil. O bate-papo aconteceu na Livraria Cultura do centro do Rio, e MEU DEUS DO CÉU, TEM TANTA COISA BOA VINDO NESSE ANO!!!!11

anigif_excited-ron-6869-1311881136-43

A editora Aleph é amplamente conhecida por suas publicações de clássicos (livros importantíssimos como “Fundação”, “Neuromancer” e “A Mão Esquerda da Escuridão”, por exemplo), uma linha editorial que eles não pretendem largar de mão. Mas a grande novidade é que eles estão começando a apostar na publicação de livros recentes, ampliando ainda mais a oferta de ficção científica contemporânea. A gente sabe que a FC é um território um pouco negligenciado pelas editoras brasileiras, então é sempre MUITO legal quando vemos esse tipo de movimentação.

Mas, sem mais delongas, vamos falar do que vim falar nesse post. LANÇAMENTOS! Os editores da Aleph mostraram quais seriam os lançamentos desse ano e caras, caaaaaras, eu fiquei muito empolgado (e triste, porque meu dinheiro vai desaparecer da conta bancária, com certeza) (mas quem se importa, não é mesmo?).

PS: nem todas as capas estão disponíveis online, então eu tirei fotos com um zoom vagabundo em um ambiente escuro com reflexo de uma luz. Portanto, peço desculpas antecipadas pela qualidade duvidosa das imagens (MAS AS FOTOS FORAM TIRADAS DE CORAÇÃO, OKAY?)

Abril

Planeta dos Macacos – Pierre Boulle

o-planeta-dos-macacos-pierre-boulle-editora-aleph

Seguindo a linha de clássicos, “Planeta dos Macacos” é o próximo lançamento da editora. Ele vai vir cheio de materiais extras e tem o projeto gráfico de Pedro Inoue, o mesmo responsável pelos projetos lindos de Laranja Mecânica, 2001 e as capas dos livros do Philip K. Dick. Como não morrer de amores por essa capa?

Sombra do Paraíso – David S. Goyer e Michael Cassutt

IMG_3156

O David S. Goyer é conhecido por ser ~apenas~ o roteirista de “Batman, O Cavaleiro das Trevas” e “O Homem de Aço”, ou seja… não é pouca coisa. Esse livro, escrito em parceria com o Michael Cassutt, conta a história de um artefato que está indo em direção ao Sol e a corrida de dois veículos espaciais que tentam alcançá-lo. O livro já teve direitos comprados para o cinema e parece ser interessante. E a capa nacional está incrível!

Maio

Jurassic Park – Michael Crichton

IMG_3165

O filme está vindo aí e está todo mundo empolgado. Eu sempre tive curiosidade de ler o livro que deu origem à história, mas sempre deixei pra depois. Só que agora vai ficar difícil!

O Trono de Diamante – David Eddings

9780007578979

Esse é o primeiro livro de fantasia nos moldes mais voltados para o RPG que a editora vai lançar. Ele segue o modelo clássico: princesa está presa em um trono de diamante e cabe a um grupo partir em uma quest para salvá-la. Podem falar o que quiser, mas esse tipo de aventura é sempre delicioso de se ler. Ah, esse livro é o primeiro de uma trilogia! (oh, really?). A capa ainda está sendo produzida (segundo os editores, pelo Marc Simonetti, o mesmo ilustrador de capas como ‘Mistborn’, ‘Crônicas de Gelo e Fogo’ e ‘O Nome do Vento’).

Jornada do Escritor – Christopher Vogler

IMG_3160

A Editora Aleph também possui um catálogo de não-ficção, que eles pretendem expandir ainda mais nesse ano. E a publicação do livro do Vogler é importante, em primeiro lugar porque o livro está praticamente esgotado, e em segundo porque esse livro é extremamente importante para quem escreve e quer entender como funciona a Jornada do Herói – seja para utilizá-la ou para entender como ela é para subvertê-la. Eu li esse livro na edição antiga e ele é muito rápido e cheio de exemplos. Um manual bem legal pra quem curte escrever.

Junho

Cyberstorm – Mathew Mather

IMG_3158

Esse livro é outra aposta de ficção científica contemporânea. Confesso que não tinha ouvido nada sobre ele até o evento, mas fiquei empolgado com a sinopse! Conta como o mundo entra em colapso e tudo começa a dar errado depois que as tecnologias do mundo piram. Adoro techno-thrillers e tenho certeza que esse é um daqueles que vai me deixar com medo quando perceber que tudo o que acontece no livro pode de fato acontecer na nossa realidade.

Eu Estou Vivo e Vocês Estão Mortos – Emmanuel Carrère

IMG_3159

Continuando com a linha de não-ficção, eles vão lançar biografias <3 Tenho um fraco por biografias, e quando são de pessoas de quem admiro, as coisas são ainda melhores. Essa é uma biografia romanceada do Philip K. Dick (para mim, O autor de ficção científica, ao lado da Ursula K. Le Guin), então com certeza ele está na lista de compras (TODOS ESTÃO NA LISTA DE COMPRAS, NA VERDADE!)

Julho: Lou Reed / Transformer – Victor Brockis

IMG_3161

Outra biografia que eles vão lançar ainda esse ano é do Lou Reed, um dos mais importantes cantores de rock de todos os tempos. E é claro que eu vou ler.

Agosto

Star Trek / Portal do Tempo – A. C. Crispin

IMG_3162

Com a comemoração de cinquenta anos de Star Trek, a editora vai lançar Portal do Tempo, e os editores disseram que não vão parar por aí! Eles não entregaram muita coisa, mas disseram que pretendem lançar mais coisas do universo Star Trek. Vamos aguardar!

Eu Sou A Lenda – Richard Matheson

IMG_3163

Tirando todas as piadas a respeito do filme com o Will Smith (foram muitas), eles anunciaram o lançamento de uma nova edição de Eu Sou A Lenda. Esse livro foi particularmente negligenciado no Brasil com uma série de edições mal trabalhadas e com poucos exemplares. É legal ver que agora o Matheson está nas mãos na Aleph, porque ele é um dos autores mais importantes da ficção científica e seu trabalho precisa ser mais reconhecido.

Alien – Alan Dean Foster

IMG_3164

E por último, mas não menos importante, eles anunciaram o lançamento de um livro baseado no universo do Alien. Parece empolgante (apesar de eu não ser o maior fã do Alien) (não do filme, eu amo o filme! Eu só não gosto de tanta… baba).

Além de todos esses lançamentos, a editora falou sobre seu ambicioso projeto de publicar vinte livros do universo Star Wars nos próximos dois anos, incluindo aí a Trilogia Thrawl (da qual o primeiro volume, “O Herdeiro do Império”, já foi lançado e foi um grande sucesso), uma série de livros stand alones (ou seja, que podem ser lidos independentemente um do outro), livros infantis baseados na saga e uma não-ficção mostrando como Star Wars conquistou o mundo. Ou seja, VAI TER STAR WARS! E SE RECLAMAR VÃO TER VINTE STAR WARS! <3

Acho que é só (tudo) isso! Estão empolgados? Qual livro vocês estão esperando mais? EU QUERO TODOS!

“Uma noite para se entregar”, da Tessa Dare

26 de março de 2015 às 19:45, por

uma noite para se entregar

Título: Uma noite para se entregar (em português), A Night to Surrender (inglês)
Editora: Gutenberg
Data de lançamento: 9 de abril de 2015
Compre: AmazonSaraivaCultura

“Spindle Cove é o destino de certos tipos de jovens-mulheres: bem-nascidas, delicadas, tímidas, que não se adaptaram ao casamento ou que se desencantaram com ele, ou então as que se encantaram demais com o homem errado. Susanna Finch, a linda e extremamente inteligente filha única do Conselheiro Real, Sir Lewis Finch, é a anfitriã da vila. Ela lidera as jovens que lá vivem, defendendo-as com unhas e dentes, pois tem o compromisso de transformá-las em grandes mulheres descobrindo e desenvolvendo seus talentos.

O lugar é bastante pacato, até o dia em que chega o tenente-coronel do Exército Britânico, Victor Bramwell. O forte homem viu sua vida despedaçar-se quando uma bala de chumbo atravessou seu joelho enquanto defendia a Inglaterra na guerra contra Napoleão. Como sabe que Sir Lewis Finch é o único que pode devolver seu comando, vai pedir sua ajuda. Porém, em vez disso, ganha um título não solicitado de lorde, um castelo que não queria, e a missão de reunir doze homens da região, equipá-los, armá-los e treiná-los para estabelecer uma milícia respeitável. Susanna não quer aquele homem invadindo sua tranquila vida, mas Bramwell não está disposto a desistir de conseguir o que deseja. Então os dois se preparam para se enfrentar e iniciar uma intensa batalha!

O que ambos não imaginam é que a mesma força que os repele pode se transformar em uma atração incontrolável.” (resumo retirado do site da editora)

Quando fiquei sabendo que teria livro da Tessa Dare em português, eu literalmente gritei de emoção e GRITEI MUITO. Esta autora é um dos amores da minha vida, tanto é que passei dias imaginando que ela se tornaria a minha melhor amiga depois que ela me favoritou no twitter e começou a me seguir (NÃO ME JULGUEM).

Eu sou o Buzz e a Tessa é o Woody

Eu sou o Buzz e a Tessa é o Woody

Na verdade, quase todos do NUPE amamos a Tessa e quando o ARC (cópia avançada do livro) nos foi oferecido pela Gutenberg, tive a certeza que a competição seria ferrenha, então isso aconteceu .

Por que estou compartilhando essas coisas? Para vocês terem noção que sou insuportável quando se trata das minhas queridinhas e porque, aparentemente, gosto de me envergonhar pela internet.

tHwdJ6H

Estou pensando seriamente em me comprar uma passagem para Spindle Cove para fugir dessas minhas vergonhas.

Susanna Finch é considerada a líder da comunidade de Spindle Cove por seus moradores, não apenas por ser a filha de um cavalheiro local, mas por ser uma inteligente e forte mulher que conseguiu se aproveitar bem da situação e que está disposta a defender as mulheres que buscam refúgio em Spindle Cove a qualquer custo.

Em um belo dia, Susanna estava tentando convencer a Senhora Highwood a passar uma temporada com suas filhas no local e, por si só, esta estava sendo uma tarefa complicada, quando Victor Bramwell, mais conhecido como Bram, resolve acatar a ideia de seu primo Colin e solta um bomba para afastar as ovelhas do caminho. A moça se viu em uma situação difícil e já estava completamente certa se que seu pai, Lewis Finch, quebrara sua promessa de não testar invenções deste tipo. No entanto, depois de quase morrer à lá Mufasa com uma horda de ovelhas e ser resgatada por Bram, Susanna descobre que seu pai nada tinha a ver com aquela explosão.

Ainda em cima de Susanna por conta do resgate e a dor no joelho, Bram acaba se aproveitando e a beija. Depois do beijo e de uma conversa envolvendo ovelhas sendo bombardeadas, Susanna está certa que Bram é um soldado que ficou um tanto quanto louco depois da guerra:

“Está tudo bem. Você vai ficar ótimo.” Ela pôs a mão no rosto dele e o encarou diretamente nos olhos. “As ovelhas não podem fazer mal a você aqui”

História vai, história vem, Bram acaba tendo que fazer uma milícia em Spindle Cove para poder voltar para o exército e Susanna será seu maior empecilho.

Óbvio.

O que dizer sobre Susanna e Bram? Eles têm uma química incrível e são um dos casais mais divertidos de Spindle Cove (perdendo apenas para Colin e Minerva). Não acredita em mim? Pega mais uma citação envolvendo mais ovelhas entre a Susanna e o Bram!

Você sabia que tem um cordeiro aqui?”
“Não tem importância. É só jantar.”
Susanna sorriu para a ovelha e a acariciou.
“Olá, Jantar. Quem é a coisa mais fofa?”
“Jantar não é o nome dele, é a… função que vai desempenhar.”

Brincadeiras à parte, Uma Noite Para Se Entregar é um dos livros mais hilários, fofos, revoltantes e adoráveis que já tive o prazer de ler. Preciso confessar que fui flagrada abraçando, tacando o arc na mesa de frustração e rindo como uma louca. Minha família já está acostumada com as minhas reações ao ler livros e assistir séries, mas eles ficaram um pouquinho preocupados porque reagi de uma forma mais insana que o normal (sim, é possível).

Os personagens são ótimos, tanto os principais quanto os coadjuvantes, até mesmo A Sabedoria da Sra. Worthington. Ainda que este seja apenas um livro, muitas coisas em Spindle Cove giram ao redor dele (treinamento de tiro ao alvo, abrir janelas, amassar ervas, pesos de papel…). Para ser bem sincera, o único personagem que desgosto é o pai da Susanna, porque ele é meio egoísta e preocupado mais com o próprio umbigo e com suas próprias invenções do que com a própria filha. Eu queria colocar o Bram na categoria de “desgosto”, porque ele é um babaca completo, mas consigo entender os motivos dele ser como ele é e ele acabou crescendo no meu coração. Susanna é uma mulher maravilhosa e com certeza merece alguém melhor do que Bram na vida dela, no entanto, não consigo imaginá-la com outra pessoa (se é que isso faz sentido).

A história tem alguns problemas como a atração instantânea de Bram por Susanna. Francamente, se algum cara me resgatasse e ficasse abraçado e me beijasse do nada, ele se encontraria com o corpo em um ângulo muito estranho envolvendo a cabeça dele e um buraco onde o sol não bate.

Hard-slap-gif

Não existe o gif que quero, então vou usar esse aqui mesmo.

Também não gostei de Spindle Cove ter sido “melhorado” depois que os homens e as mulheres tenham encontrado um equilíbrio na  convivência. Não havia nada de errado em Spindle Cove sendo somente um lugar para onde mulheres da sociedade escapassem com o intuito de serem elas mesmas e serem aceitas como elas são. Admito que essas foram coisas que me incomodaram no livro e elas teriam me irritado imensamente se a narrativa da Tessa não fosse terrivelmente divertida e cativante.

Não entrarei em muitos detalhes sobre a narrativa e o humor da Tessa Dare, mas posso dizer que amo a forma que ela escreve e dou gargalhadas altas e em bom som com o humor dela. Se você for minimamente parecida(o) comigo, você terminará este livro no mesmo dia com um sorriso no rosto e se pegará rindo sozinha ao se lembrar de alguma passagem engraçada de Uma Noite Para Se Entregar.

Uma Noite Para Se Entregar não é o meu favorito da série Spindle Cove (meu favorito é A Week to Be Wicked, que por sinal já foi resenhado pela Tassi), mas como o primeiro livro, ele não desaponta na hora de empolgar para ler os livros seguintes!

Classificação: Três ovelhas sem nome e um Jantar

Esse livro foi um uma cópia avançada (ARC) de parceria, cedido pela Editora Gutenberg em troca de uma resenha honesta.

The Orphan Queen, da Jodi Meadows

23 de março de 2015 às 19:31, por

**Esta resenha é de um ARC que ganhei da autora em um sorteio**

OrphanQueen-HC-CIdioma Original: Inglês
Autor:  Jodi Meadows
Editora: Katerine Tegen Books
Primeiro livro de uma Duologia

Quando fiz o resumo dessa resenha, antes de começar, ela era assim:

BLACK KNIFE.

BLACK KNIFE.

OMG BLACK KNIFE.

Sabe, eu tenho algo com vigilantes mascarados. Talvez seja toda a aura de mistério que os envolve, talvez seja o fato de que a identidade deles é óbvia para todo mundo MENOS para quem convive com eles, talvez proque o fato de estarem por trás de uma máscara faça com que não tenham pudores e sejam eles mesmos, mas eu os amo. Então no segundo em que o Black Knife apareceu, na página sete, salvando o dia eu pensei: “Ai não, eu vou sofrer”.

Óbvio que eu estava certa.

Mas vamos pelo começo: Orphan Queen conta a história de Whilemina, uma das únicas crianças que sobreviveu ao massacre que o Indigo Kingdom promoveu no reino vizinho, Aecor, na que ficou conhecida como A Guerra de Uma Noite. Os poucos sobreviventes conseguiram escapar das garras do rei do reino Indigo e vivem como ladrões, nas ruas, roubando dos ricos para se sustentarem e poderem realizar o seu plano de vingança. Até que chega o dia: Whilemina finalmente consegue se infiltrar no palácio para descobrir os planos do rei e dar início à sua vingança.

Só que Wil descobre que tem mais ameaças ao seu plano do que esperava: o líder do seu grupo de órfãos está cada vez mais instável, um certo vigilante mascarado acompanha todos os seus passos e o Wraith, o subproduto tóxico que surge todas as vezes que alguém faz mágica, é muito mais perigosa do que qualquer um jamais imaginou — e está intrinsecamente conectada à Wil. No meio disso tudo, em quem ela pode confiar? Quem pode ajudá-la a retomar o seu país e libertar o seu povo, além de salvar todo mundo do perigo iminente que o wraith representa?

Eu tenho esse problema na minha vida que é gostar de livros com o começo lento. Além disso, raramente gosto quando o livro despeja todas as informações que você precisa saber sobre a história nas primeiras páginas, com parágrafos gigantes de informações contando de onde o mundo veio e para onde o mundo vai. Gosto quando é misturado na história, principalmente se for feito de forma delicada. A sensação de estar perdido, de ser jogado num mundo novo e ir entendendo ele aos poucos é uma das que mais gosto quando leio fantasia e Orphan Queen felizmente entra na categoria de livros que vão te imergindo no mundo aos poucos.

A Whilemina é uma protagonista interessante, principalmente por ser ciente das suas responsabilidades ao mesmo tempo em que é ousada e íntegra. Tem falhas e qualidades e tem um desenvolvimento interessante durante o livro. É bem legal como ela começa a reconhecer o papel feminino na realeza e como funciona esse tipo de poder durante o livro, porque por ter crescido como uma órfã nas ruas, tem uma criação que é “masculina” segundo o mundo do livro. É sempre um alívio quando autoras de fantasia subvertem essa noção de que a feminilidade é uma fraqueza e que mulheres não tem poder nenhum. É empoderador. O relacionamento dela com a Melanie, sua melhor amiga, também é muito interessante e a “rival” que surge para ela tem uma motivação bem diferente da que a gente imagina.

Há um pequeno mistério no livro quanto à identidade do Black Knife. O BK é um justiceiro mascarado que entrega todas as pessoas que praticam magia ilegalmente para a polícia e Whil morre de medo que ele descubra as pequenas magias que ela faz para ajudar os outros. Foi uma parte do enredo que achei interessante, porém bem óbvia. Ainda assim, é legal e dá SENTIMENTOS, o que sempre é importante num livro YA. E SÃO MUITOS SENTIMENTOS

right in da feels

Caham. Apesar de ter gostado muito da história em geral, eu tive a impressão de que foi um pouco superficial. Não sei como explicar, mas embora tenha me apegado bastante aos personagens e ao enredo em geral, senti falta de que a autora explorasse melhor as intrigas e a dinâmica da corte. Claro que o livro ficaria bem maior e o início mais lento ainda, mas gosto muito desse clima de “não sei quem vai enfiar a faca em mim primeiro” e do jogo de poder e astúcia que envolve a política. Como rainha, a Wil com certeza vai ser uma ótima general, mas queria muito ver mais de como ela se sairia lidando com nobres e agendas políticas diferentes da dela.

Além disso, o sistema de magia ficou um pouco incompleto para mim. Eu sei que tem mais uma continuação, mas faltou uma explicação de quem consegue usar magia. Qualquer pessoa? Só a realeza? Nós sabemos que Wil consegue usar magia e que existem pessoas/monstros que ficaram assim por causa de magia e só. Há alguns personagens que foram pouco explorados nesse livro e espero maior aprofundamento no volume dois ou nos contos que a autora vai lançar até lá, principalmente porque quero saber mais sobre eles!

No final, é uma leitura de fantasia YA divertida, com personagens cativantes e SENTIMENTOS. Um dos motivos que me levam a demorar a fazer resenhas — se eu fizer assim que termino e a diversão foi boa, acabo sobrevalorizando a nota. Isso aconteceu com Orphan Queen, porque assim que terminei achei fantástico, mas depois de um tempo acabei percebendo várias falhas. Por isso, minha classificação no Goodreads assim que li foi 4,5 estrelas e, aqui, teve uma estrela a menos. :)

Classificação: 3,5 vendas do Zorro

TW: Objetos Cortantes – Gillian Flynn

18 de março de 2015 às 17:57, por

Título Original: Sharp Objects
Editora: Intrínseca
Data de lançamento: 02/02/2015

Recém-saída de um hospital psiquiátrico, a repórter Camille Preaker tem um desafio pela frente: retornar à sua cidade natal para investigar o brutal assassinato de uma menina e o desaparecimento de outra. Desde que deixou a pequena Wind Gap, no Missouri, oito anos antes, Camille quase não falou com a mãe neurótica, o padrasto e a meia-irmã que praticamente não conhece. Hospedada na casa da família, a jornalista precisa lidar com as memórias difíceis de sua infância e adolescência. E à medida que as investigações para elaborar sua matéria avançam, Camille passa a desvendar segredos perturbadores, tão macabros quanto os problemas que ela própria enfrenta.

Trigger warning: esse livro contém violência sexual e auto-mutilação, além de abuso emocional. Vou acabar tocando em algum desses assuntos de forma mais explícita em alguns momentos da resenha e não aconselho a leitura pra quem tem problemas com esses assuntos.

Admito que estava enrolando para fazer a resenha desse livro porque ele me incomodou. E não foi pouco. Eu honestamente tenho medo da cabeça da Gillian Flynn desde que terminei de ler “Objetos Cortantes“. Mas aí, ouvindo a introdução do livro de contos do Neil Gaiman, que coincidentemente se chama “Trigger Warning”, me deparei com um trecho que vou reproduzir aqui em inglês e em tradução livre:

We take words, and we give them power, and we look out through other eyes, and we see, and experience, what they see. I wonder, Are fictions safe places?And then I ask myself, Should they be safe places? There are stories I read as a child I wished, once I had read them, that I had never encountered, because I was not ready for them and they upset me: stories which contained helplessness, in which people were embarrassed, or mutilated, in which adults were made vulnerable and parents could be of no assistance. They troubled me and haunted my nightmares and my daydreams, worried and upset me on profound levels, but they also taught me that, if I was going to read fiction, sometimes I would only know what my comfort zone was by leaving it; and now, as an adult, I would not erase the experience of having read them if I could.

Nós pegamos palavras e damos poder a elas, e enxergamos através de outros olhos, e nós vemos e experimentamos o que eles vêem. Eu penso, a ficção é um lugar seguro? E então eu me pergunto, ela deveria ser um lugar seguro? Há histórias que li quando criança que desejei, uma vez que as tinha lido, que eu nunca as tivesse encontrado, porque eu não estava preparado para elas e elas me perturbaram: histórias que continham desamparo, nas quais pessoas eram constrangidas ou mutiladas, nas quais os adultos se tornavam vulneráveis e pais não podiam ajudar de nenhuma forma. Elas me incomodaram e assombraram meus pesadelos e meus devaneios, me chatearam e perturbaram em níveis profundos, mas elas também me ensinaram que, se eu ia ler ficção, às vezes só saberia qual era a minha zona de conforto saindo dela; e hoje, adulto, eu não apagaria a experiência de tê-las lido, mesmo se pudesse.

Em outras palavras, se esse livro me incomodou, foi porque me tirou da minha zona de conforto e eu tenho que falar sobre ele. Segura que lá vem textão.

Depois de “Garota Exemplar”, eu não esperava pouco da Gillian Flynn. Foi um dos melhores livros que li ano passado e, mesmo sabendo que “Objetos Cortantes” foi o primeiro livro dela, continuei esperando uma leitura bem diferente.

“Diferente” é um elogio perto do que essa mulher criou. Quem já passou mais de uma semana em uma cidade pequena (mas pequena mesmo) sabe que cada uma tem pelo menos alguns costumes, no mínimo, peculiares. Seja na forma de criação das crianças, de festas tradicionais onde as coisas escapam um pouco do controle ou do grupo de fofocas da Igrejinha que na verdade comanda a cidade. Toda cidadezinha tem seus segredos sórdidos. E, convenhamos, a grande maioria delas tem um pensamento antiquado e machista que classifica as garotas em dois grupos. Ou elas são santas ou são putas. Aí ou elas ficam, dando continuidade à vida da cidade, ou elas vão embora assim que conseguem recursos e/ou coragem.

Objetos Cortantes” mostra bem isso: uma cidade em que os adultos que já passaram pela adolescência são tão marcados por esses traumas que se tornam pais inaptos, que transferem seus transtornos para seus filhos problemáticos, que vão se tornar pais inaptos e por assim vai.

family emm

Ser da sua família não dá a ninguém o direito de te tratar mal.

Os adolescentes de Wind Gap são cruéis, muitas vezes chegando ao sadismo. E é nesse ambiente que sexualiza as garotas desde cedo (castidade ou perversão, lembra?) em que Camille é criada e acaba desenvolvendo um problema seríssimo de auto-mutilação, que culmina com sua internação em uma clínica psiquiátrica e é após sua saída dela e durante a sua tentativa de reintegração na sociedade que começamos a acompanhar sua história. Ela é enviada a Wind Gap para acompanhar a história de uma menina que foi assassinada sem motivo aparente e outra que está desaparecida. Estar de volta em Wind Gap, especialmente na casa da mãe que nunca a amou, do padrasto que praticamente não reconhece sua existência e da meia-irmã de comportamento errático, faz as piores palavras que Camille gravou em sua pele queimarem.

Não é um livro fácil, nem de longe. O começo é meio lento e monótono, até que em um determinado momento você percebe que aquela cidade e seus habitantes são muito mais perturbados do que você pensava, e aí você não consegue parar de ler, porque não acredita em quão distorcidas as mentes das pessoas podem ser. Gillian transforma atos simples em incômodos físicos tão impactantes que é impossível não se retorcer em determinadas passagens.

Não quero falar muito pra não estragar a experiência da leitura porque, apesar de meio doentia, ela é impressionante. Repito, não é uma leitura emocionalmente fácil, nem um livro que você se sente aliviado porque acabou. Ele me incomodou bastante, me fez sair da minha zona de conforto e sentir aversão em várias partes. Mas é um ótimo drama psicológico, para quem é fã do estilo.

Você não é aquilo que fizeram com você. Você é mais que isso. Você é bom o bastante.

Você não é aquilo que fizeram com você. Você é mais que isso. Você é boa o bastante. Você não está quebrada. Você está inteira. Você é forte e consegue viver e superar isso.

Ele também me fez pensar na responsabilidade que os veículos de comunicação devem ter ao tocar em assuntos que podem ser delicados para algumas pessoas. Como disse em um e-mail enviado à editora, achei de mau gosto e até perigoso o envio de um marcador do que parece ser uma chapa de metal em formato de gilete para promover o livro (em uma busca no instagram pelo nome do livro você consegue encontrar, não vou linkar a imagem aqui). Você não pode prever que uma pessoa vá ter fobia de tentáculos na hora de promover um livro sobre monstros marinhos, mas auto-mutilação é um tema muito mais discutido que fobia de tentáculos, e você deve ter um certo tato ao lidar com imagens que podem ser um gatilho para alguém que luta contra isso. A resposta da editora deu a entender que as campanhas foram pensadas cuidadosamente e o assunto foi bastante discutido antes das imagens de divulgação entrarem no ar e do material promocional ser distribuído, o que eu já esperava, porque admiro o trabalho da Intrínseca em geral e não acredito que eles tomariam este tipo de decisão sem profissionalismo, e sei que a intenção foi provocar um diálogo sobre um assunto que merece mais visibilidade. Mesmo assim, ainda acho que existem limites que devem ser respeitados e o marcador de gilete passou desses limites.

Como tudo nesse blog, essa é a minha opinião (e de boa parte da equipe) e esse marcador pode não ter incomodado outras pessoas, e como ele não é um trigger para mim, não posso falar com a autoridade de quem pode ter uma recaída com um objeto desses, apenas como alguém que tem contato com pessoas que poderiam ser atingidas e como alguém que se incomodou demais com esse marcador.

No final, como disse o Gaiman lá no começo do post, eu não me arrependo de ter lido “Objetos Cortantes“. Ele testou meus limites e me fez refletir e crescer. É um livro cru, que te faz pensar que muitas vezes pessoas reais são muito mais assustadoras que uma horda de zumbis enlouquecidos.

 Classificação: 4 dentes de leite

10981744_1555868184689453_8054518751909364015_n

Você brilha mais que o sol (mas não de uma maneira que machuca os olhos).

 

Esse livro foi um exemplar de parceria cedido pela Editora Intrínseca em troca de uma resenha honesta.

Todas as imagens desse post são da página EMM, not Emma, que tem muitas imagens motivacionais sensíveis e maravilhosas. Eu escolhi colocar essas imagens porque o livro já tem coisas pesadas demais e queria contrabalancear a resenha com mensagens positivas, mas que tivessem alguma relação com o livro mesmo assim.

Seis recomendações de Doramas SUPIMPAS!!

17 de março de 2015 às 19:07, por

Bell: Lá pelos idos de 2006, eu e Valéria descobrimos um mundo maravilhoso chamado DORAMA. Dorama é como nossos amigos do Japão, da Coreia e da China chamam seriados, ou teledramas. Nós começamos pelos japoneses, principalmente os baseados em mangás que liamos na época, e, aos poucos, passamos a assistir outros de várias nacionalidades. Naquela época, era tudo feito a base de torrent e demoravam eras para sair legendas, mas hoje a vida é muito mais simples e existem serviços de streaming legais para assistir dorama, como o Viki e o Drama Fever. A ideia com esse post é indicar algumas das nossas obras favoritas, que irão agradar a quem está começando agora!

Para 2015, nosso plano é falar mais sobre isso, então aceitamos recomendações de temas nos comentários.

Val: Nem acredito que estamos vendo doramas desde 2006, Barbarella! Não tenho muito a acrescentar depois da introdução acima, mas queria MUITO dizer que este é um mundo viciante e uma vez que você entra nele, será difícil de sair. A vantagem é que existe uma GRANDE possibilidade de você começar a entender japonês ou coreano (mandarim é impossível. DESCULPA, SOCIEDADE TAIWANESA, MAS É VERDADE) e isso é muito legal!

1) Goong (Coreano) – Assista aqui

princess hours

momento #seduzão

Goong é baseado num manwha de mesmo nome (ele já foi finalizado!) e ele se passa em uma Coreia em que a monarquia nunca deixou de existir, apenas se adaptou aos novos tempos como a monarquia inglesa. Shin Chae Kyung, uma garota bem peculiar que se vê obrigada a casar com o príncipe herdeiro, Lee Shin, por conta de uma promessa que o antigo imperador fez para o avô de Chae Kyung, anos atrás, durante a guerra que separou as Coreias. Só que o príncipe é um garoto mimado e metido à besta que ama outra pessoa, mas ele se casando por obrigação… ATÉ QUE OS DOIS COMEÇAM A SE GOSTAR.

Bell: DÓI. É MARAVILHOSO. É HILÁRIO. AMO A ATRIZ. ETC. A história é maravilhosa e envolve realeza fictícia e uma menina tendo que ser princesa para cumprir promessas familiares, é WIN WIN. E o casal principal é tão fofo junto (e, meu deus, tem uns beijos que você consegue ver a língua, é impressionante). Recomendo para todo mundo que gosta de um bom romance.

Val: O ELENCO É MARAVILHOSO E A YOON EUN-HYE É PERFEITA E O JOO JIN-HOON É LINDO (mesmo com o escândalo das drogas)!!! Amei e odiei os personagens com todas as minhas forças e foi uma montanha-russa de sentimentos. Na real, é um dos melhores dramas coreanos <3

2) Nodame Cantabile (Japonês e Coreano) – Assista ao coreano aqui e ao japonês aqui*

Nodame: "O que tem para o café da manhã hoje?" Chiaki: "POR QUE VOCÊ NÃO COMO ISSO!"

Nodame: “O que tem para o café da manhã hoje?”
Chiaki: “POR QUE VOCÊ NÃO COME ISSO!”

Nodame Cantabile é baseado em um mangá japonês (terminado também, yay!) com, imaginem só, o MESMO NOME (chocante, eu sei). Shinichi Chiaki está passando por um péssimo momento na vida: apesar de ser um gênio da música, um trauma o impede de sair do Japão; a ex-namorada dele dá um bolo em um encontro e; ele ainda desmaia de tão bêbado na porta da vizinha. O jovem nem imagina que sua companheira de porta é Noda Megumi (mais conhecida por “Nodame”), uma mulher peculiar que estuda na mesma faculdade de música de Chiaki, que ao encontrá-lo desmaiado, leva-o para o lixão que ela chama de casa. Chiaki acorda ao som maravilhoso do piano e no meio da imundice da Nodame e, desesperado, ele corre para a casa dele e tenta se livrar da mulher. No entanto, Nodame não saíra da vida de Chiaki tão fácil…

Bell: Nodame é uma das histórias que mais gosto na vida. É impressionante como os personagens crescem e acho o exemplo do casal ideal. O Chiaki trata a Nodame de forma péssima no início e é arrogante e terrível e a Nodame é preguiçosa e vive no lixo e os dois acabam se complementando ao longo da história. Além disso, aprendi MUITO sobre música clássica e condução de orquestras e piano quando assisti a versão japonesa. Um dos aspectos que mais gosto do J-Drama de Nodame é como tudo é bem caricato, tornando alguns aspectos mais problemáticos do Chiaki caricatos, usando isso como recurso cômico na história. Enfim, É AMOR, ASSISTAM.

Sobre o coreano, vi mais ou menos 12 episódios (ainda vou terminar) (um dia) e embora tenha gostado mais da forma como o Chiaki (que tem outro nome) foi retratado, em geral não gostei do tom e de algumas modificações que foram feitas para agradar mais o público coreano. Enfim, fiz um comentário sobre os cinco primeiros episódios do dorama coreano aqui.

Val: Nodame me fez gargalhar, me emocionar, chorar, passar dias e dias e dias ouvindo música clássica (olá, Rachmaninoff! Olá, Beethoven! Olá, Gershwin!!), gargalhar mais e chorar mais ainda. O meu nível de vício com este drama foi tanto, que assisti o último episódio sentada na privada com meu laptop e chorando de emoção (tem mais dois especiais e dois filmes, mas eles não existiam ainda quando terminei de ver o drama japonês), foi assim que mamãe me encontrou de madrugada e ela me olhou como se eu fosse insana e perguntou se eu estava bem. Em minha defesa, eu estava com infecção intestinal e passei dois dias morrendo (foi engraçado porque minha irmã estava com a mesma doença e faltamos dois dias de aula e minhas amigas e as amigas dela se encontraram e fizeram uma conferência chegando a conclusão que tínhamos morrido ou algo assim).

Não vou me pronunciar com o drama coreano, porque só assisti dois episódios dele, o tempo não permitiu mais (nem a preguiça). Contudo, amei o Chiaki do Joo Won, beijos.

3) Surplus Princess (Coreano) – Assista Aqui

"Todo mundo tem final feliz nos dramas"

“Todo mundo tem final feliz nos dramas”

Aileen é uma princesa sereia super moderna que está apaixonada por um humano e uma celebridade por ser um chef maravilhoso e bonito até dizer chega, Shi-kyung. Perto do rio Han, Shi-kyung está fazendo a gravação de um de seus programas culinários e Aileen está espionando tudo da água e por conta de um acidente, ele escorrega, bate a cabeça e cai no rio,  sendo salvo pela pequena sereia (hehehe), que acaba dando um beijo bem dado nele antes de resgatá-lo propriamente. Depois do beijo, Aileen decide se tornar uma humana custe o que custar para poder ficar com Shi-kyung!

Bell: ESSE DORAMA TEM OS MELHORES CINCO MINUTOS INICIAIS DE DORAMAS DA FACE DA TERRA. A Aileen é uma sereia bem moderna, que tem até smartphone (!!?!? EMBAIXO DA ÁGUA!!) e não tem vergonha de nada, nem limites. Isso faz com que várias situações hilárias aconteçam, como todas as vezes que elogia a “bunda de maçã” do cara que ela gosta. Apesar de ser comédia, também tem um cunho de crítica social, mostrando um lado da Coreia que raramente vemos nos Doramas, com a dificuldade de encontrar emprego e coisa e tal. A Val fala mais sobre isso abaixo.

Val: AINDA ESTOU CHATEADÍSSIMA QUE ESTE DRAMA TENHA SIDO CANCELADO (ele tem fim, mas os escritores foram obrigados a fazer um milagre, porque de dezesseis episódios, ele foi para dez). O MOTIVO? O GOVERNO COREANO SE IRRITOU UM POUCO COM AS PIADAS ADULTAS, DISSE QUE MULHER COREANA NÃO ESTAVA SENDO RETRATADA COMO ELA DEVE SER E NÃO GOSTOU DO DRAMA MOSTRAR O PROBLEMA QUE OS FORMADOS EM FACULDADES ESTÃO TENDO. ¬¬ Mas o Surplus Princess ainda é perfeito e tem tantas referências que não tem como não rir (a de Attack on Titan, a de Exterminador do Futuro e a homenagem ao clipe do G-Dragon, Crooked) e o Bruxa do Mar <3 <3 <3

4) My Love From Another Star (Coreano) – Assista aqui

my love from another star

PSSHHH

Juntamente com Surplus Princess, o drama My Love From Another Star não é baseado em um mangá/manhwa! Chocante, né? A história começa quando um alienígena chamado Do Min-Joon desce para o nosso planeta durante a Dinastia Joseon.  Ele acaba se deparando com uma situação envolvendo uma jovem que está sofrendo uma tentativa de assassinato e por parar para salvá-la, Min-Joon perde a nave que o levaria de volta para casa e fica preso na Terra. Por nunca envelhecer, Do Min-Joon tem que mudar de identidade a cada dez anos para que ninguém suspeite de sua verdadeira identidade e depois de tantos anos em meio aos humanos, ele desenvolve uma visão muito cínica sobre a natureza humana em geral e quase não se aproxima das pessoas intimamente. No entanto, depois de se tornar vizinho da famosa atriz Cheon Song-Yi, Do Min-Joon se vê metido em situações que ele nunca quis e acaba se apaixonando por Song-Yi.

Bell: YOU ARE MY DESTINY. YOU ARE THE ONE I LOVEEEEE COISAS EM COREAAAANO. YOU ARE MY DESTINYYYYYYY…

O quê? Não para eu ficar cantando a música tema do casal principal? Tá. Tudo bem. Eu vou dizer para vocês que essa foi uma recomendação que a Val me deu e não me arrependi porque tem tudo que uma história precisa para ser boa: ATRIZES! ALIENÍGENAS! VIDAS PASSADAS! ASSASSINATOS! MISTÉRIO! ROMANCE! É uma história muito bonitinha com uns plottwists estranhos que deixam você desesperada para ver o resto. Eu não vi até o final ainda porque tenho essa mania terrível de largar os doramas quando os principais se beijam porque EU SEI QUE DEPOIS DISSO VAI ME FAZER SOFRER. Não façam como eu, normalmente o final é satisfatório.

Val: EU TENHO AMOR POR TODOS OS DRAMAS DO KIM SOO-HYUN DESDE DREAM HIGH. O amiguinho aprendeu a cantar para aquele drama e o amor cresceu e assim que foi anunciado A Love From Another Star, ele entrou para minha lista de prioridades! E meu amorzinho pela atriz Jun Ji-Hyun é enorme porque My Sassy Girl. Só falei dos atores, mas o drama em si é MARAVILHOSO e completamente HILÁRIO! Do Manager sabe exatamente quão engraçada é a situação toda! HAUAHUAHA! E se você assistir, veja o episódio ATÉ O FINAL. Se quiser pular a prévia do próximo episódio, pula, mas existem uns vídeos muito bons no final de cada episódio e eles explicam umas coisinhas e um deles me fez chorar, mas foi ótimo (não chorar, mas o filminho, óbvio)!

5) Gokusen (Japonês) – Assista aqui

gokusen

Oizinho!!

Yamaguchi Kumiko é uma jovem professora cheia de ideais que entra na escola Shirokin Gakuen com a esperança de fazer uma grande diferença na vida de seus estudantes. No entanto, Yamaguchi desc0bre que será a professora da turma 3-D, a turma mais bagunceira e cheia de delinquentes da escola, e eles não tem nenhum respeito por ela. Os estudantes tentam fazer bullying com Yamaguchi com a intenção de fazê-la ir embora, mas as tentativas são completamente falhas. E a medida que as tentativas dão errado, Sawada Shin, o líder da turma e um garoto inteligente, mas preguiçoso, suspeita que há algo estranho com a professora. O que Sawada e o resto da escola nunca imaginaria é que Yamaguchi é a herdeira de um grande grupo Yakuza…

Bell: AGDSHAFHAFAHDFAA. Gente, é história de uma professora de ensino médio que é herdeira da Yakuza, eu nem preciso falar nada, ahaha. Mas enfim, tem três temporadas e cada temporada é com uma turma diferente. Só assisti a primeira e a segunda e gostei muito mais da primeira, porque é basicamente a Yamaguchi-sensei ajudando os meninos que são delinquentes a se aprumar na vida e ganhando o respeito delas. É hilário, é tocante, é diversão garantida.

Val: Nem assisti Gokusen inteiro, então minha opinião não conta tanto??? Mas assisti uns três episódios há alguns anos e me diverti pacas <3 Um dia assistirei por completo!

6) HanaKimi (Japonês) – Assista aqui*

hanakimi

Amor <3

HanaKimi é baseado em um mangá japonês e conta a história de uma colegial japonesa chamada Mizuki Ashiya, que mora nos EUA. Quando Mizuki era mais nova, se apaixonou por salto em altura quando viu o estudante Sano Izumi competir pela televisão. Só que Sano se machuca e sai do esporte e, decidida a fazer seu ídolo voltar para o esporte que gosta tanto, decide estudar na mesma escola de Sano. O problema: Sano estuda numa escola só para meninos! Mizuki não se abala e corta o cabelo e se finge de menino para tentar se aproximar do ídolo… até descobrir que os dois vão dividir o mesmo quarto no alojamento da escola. Daí a história começa: Mizuki tendo que viver com Sano sem que ele descubra o seu segredo, transitando por essa escola masculina cheia de gente louca e até despertando amores inesperados!?!?

Bell: HanaKimi começa com uma premissa bem maluca (QUEM É QUE SE PASSA POR MENINO SÓ PARA CONVENCER O SEU ÍDOLO A VOLTAR A PRATICAR O ESPORTE!?!?), mas é bom para você saber no que está se metendo. A Mizuki é uma protagonista maravilhosa, engraçada e meio tonta e o elenco de personagens que a rodeia é igualmente divertido, incluindo Nakatsu, o melhor amigo super animado e para cima; um garoto que vê auras e fantasmas; e o enfermeiro da escola que vira o melhor amigo dela e o guardião de seu segredo. É daquelas histórias de rir muito e de aquecer o coração, sabe? ♥

Val: É BASEADO EM UM MANGÁ JAPONÊS CHAMADO HANAZAKARI NO KIMITACHI E, RESUMINDO, HANAKIMI. É HILÁRIO. ASSISTAM. 

*Como não encontramos nenhum site que se especializa principalmente em doramas, colocamos links de episódios completos no youtube e com legendas em inglês. :( Se alguém tiver alguma informação destas séries em específico, só precisa nos dar um toque!!

É isso! Se tiverem mais recomendações de doramas, falem nos comentários.