Nem Um Pouco Épico

TRIGGER WARNING: Abuso e Empatia

tumblr_mnndxdp6yl1sqh8gqo2_500

Trigger Warning (TW, ou ‘Aviso de Gatilho’ em uma tradução livre e literal) é um pequeno aviso sobre o conteúdo de um determinado material que pode, entre outras coisas, ativar memórias e causar algum efeito de estresse pós-traumático nas pessoas, o que vai desde um pequeno desconforto até um ataque de pânico. O termo surgiu no contexto dos blogs feministas, onde muitos artigos sobre violência sexual feminina eram escritos e colocados para discussão, como uma maneira de avisar aos leitores que, caso aquilo fosse incomodá-los, havia uma oportunidade para que a pessoa não o lesse.

Esse post é sobre 13 Reasons Why e outras coisas, vai ser MUITO longo e se você não se importar em ler, talvez ele faça mais sentido do que eu pensava que faria.

Todos temos algum problema, ou em algum momento da vida passamos por alguma situação que não conseguimos lidar sozinhos. Quando se é adolescente, estes problemas parecem que vão ser eternos e consomem todo o nosso ser. É algo explicado cientificamente, e se você viu a série da Netflix, 13 Reasons Why, principalmente o especial com os produtores e atores, você sabe disso. Pode parecer algo exagerado e uma informação desnecessária, afinal, todos já foram adolescentes e “eu não passei por isso” muitas vezes vem na cabeça de algumas pessoas. Se colocar na posição de alguém em sofrimento, é ignorar completamente o que VOCÊ sentiria e o que VOCÊ faria, é parar para pensar como aquela pessoa sente e o que ela faria. A empatia é algo muito complexo e nem sempre a gente consegue por em prática, mesmo achando que estamos.

Read more

5 séries excelentes de 2016

O ano não foi dos melhores, mas é fato que estamos vivendo numa época maravilhosa da televisão. Abaixo estão as cinco melhores séries que eu vi e que estrearam esse ano com uma lista bônus com outras séries tão excelentes quanto as cinco que vou indicar agora, porque eu sou incapaz de fazer listas que sejam curtas!

Read more

As mulheres complexas de Brooklyn Nine-Nine

b99

Que atire a primeira pedra aquela pessoa que nunca acidentalmente viu todos os episódios disponíveis de um seriado de uma vez só. Foi assim que eu descobri Brooklyn Nine-Nine. Em algum dia, olhando as sugestões da Netflix, surgiu esta série que eu sempre ouvi falar, mas nunca tinha nem tentado.

Foi amor à primeira vista.

As promos da série podem enganar: apesar do pôster com o Andy Samberg (não que eu esteja reclamando) e a profissão de policial sendo mencionada toda hora, não é uma série sobre crimes. Nem sobre Jake Peralta, o “protagonista” interpretado por Samberg. Não, é uma série de comédia no ambiente de trabalho, com um grupo de personagens igualmente adorável e desprezível. Melhores piores pessoas. Pense em Parks & Recreation, só que ao invés do departamento de parques em Pawnee, é um distrito policial no Brooklyn, em NY.

Read more

Divorce + Insecure: os novos seriados da HBO

Olá, você!
Olá, você!

Eu sou Felipe Castilho, correspondente especial do NUPE para os assuntos divórcio e insegurança. Por isso, tive o prazer de ir assistir a uma cabine com episódios piloto de duas novas séries da HBO, chamadas:

  • Divorce
  • Insecure

Assim, nessa ordem, numa bela manhã de terça! E é nessa ordem que você também poderá conferir as duas estreias a partir deste domingo (09/10! Tipo, hoje!!!), logo após Westworld (que ainda não vi, mas PRECISO), o que será um exercício muito interessante para botarmos os pés de volta na realidade depois de uma viagem sci-fi. Término de relacionamento, rotina destruidora de romances, constrangimento, traição, encontros furados e tretas: AH, VIDA REAL!, como diriam certos engenheiros provenientes do Hawaii.

Read more

Séries para matar a saudade das Olimpíadas

Agora que as Olimpíadas terminaram oficialmente (NÃÃÃÃÃÃÃOOOOOO, VOLTA POR FAVOR!) e a gente tem que esperar até dia 7 de setembro para a abertura oficial das Paralimpíadas, dá pra gastar o tempo que você dedicou assistindo a TODAS AS MODALIDADES POSSÍVEIS E IMPOSSÍVEIS vendo SÉRIES!

tumblr_o0rlwdQMaY1t0jtguo1_500

Pra não desacostumar do ritmo olímpico, separei algumas séries que tem a temática esportiva (vai que alguma te motiva a se tornar um super atleta). Você já assistiu alguma delas?

Read more

Semana Leigh Bardugo: Trilogia Grisha e as Cebolas

shadow and bone
Imagina que você é o protagonista de um livro young adult e está na beira de um penhasco e vê que O Grande Vilão está vindo na sua direção a toda velocidade. Você pode tentar fugir pelos lados, pode enfrentar ou pode pular, dependendo do tipo de suspense que você quer no final do capítulo.
Mas e se você não for nem o protagonista, nem o vilão, mas outro personagem secundário e de certa relevância observando essa mesma cena? A resposta mais comum dependeria de qual seria sua filiação na história. Tem laços com o protagonista? Corre para  ajudar. Faz parte da corte do vilão? Fica de fundo, provavelmente de braços cruzados e com um sorriso malvado nos lábios (adoro quando especificam que o sorriso é nos lábios porque me dá a sensação de que poderia ser em outro lugar e a ideia de um rim feliz é bem poética, se pensar bem).
A questão é que o mais comum de acontecer é que, a não ser que exista algum plot twist (reviravolta) reservado, tem o time dos vilões e o time do protagonista. A motivação do time dos vilões é seguir o vilão e a motivação do time do protagonista é seguir o protagonista. Note que estou dizendo o mais comum, e não o que acontece o tempo todo.  E isso não é necessariamente ruim, mas é que ninguém é só vilão e ninguém é só bonzinho. Às vezes as pessoas mudam de ideia, pra melhor ou pra pior, e pra isso acontecer em uma história os personagens precisam ter certa autonomia de pensamento. É tipo as camadas de cebola do Shrek.
"Ogros têm camadas. Cebolas têm camadas. Saca? Ambos temos camadas"
“Ogros têm camadas. Cebolas têm camadas. Saca? Ambos temos camadas”
E É ISSO QUE TEMOS NA TRILOGIA GRISHA. TEMOS CEBOLAS.

Read more

Stranger Things

tumblr_o9xg0um4ux1qd109xo2_400

ALÔ!

ABAIXA A TV E ME ESCUTA PELO TELEFONE QUE EU TÔ ELÉTRICO!!*

SÃO CINCO DA MANHÃ E EU ACABEI ESTA SÉRIE E TÔ LOUCO ESCREVENDO ISSO!!

Okay, vou tentar me acalmar um pouquinho e falar como uma pessoa normal aqui, vamos lá. O meu dia havia começado meio zoadinho, mas então recebi uma notificação no celular com as belas palavras “Stranger Things – Disponível agora na Netflix”. Não deu outra, vendi minha alma de vez pra Netflix e cai de cara numa maratona que levou o meu dia inteirinho. Mas posso falar uma coisa? Posso, né:  VALEU 100% A PENA.

STRANGER THINGS!!!

QUE SÉRIE!!!

tumblr_oadqaaX4251r3ssslo2_400
RUN YOU FOOLS

Certo, vamos começar a falar sobre as coisas da série normalmente (como um ser humano normal, digo). Tudo é ambientado nos anos 80 (!!) e começa na cidade de Hawkins, Indiana, uma cidade suburbana (daquelas bem características de tudo que se via em filmes daquela década). Stranger Things já começa com uma cena que traz uma das grandes referências nerd da série, quatro amigos jogam Dungeons&Dragons no porão da casa de Mike (Finn Wolfhard), o “líder” do quarteto que inclui Lucas (Caleb McLaughlin), Dustin (Gaten Matarazzo), e o Will (Noah Schnapp). Depois de 10 horas a fio jogando D&D eles decidem que já era a hora de se despedirem e irem para casa. E é aí que a coisa começa. Algo acontece com Will no caminho de casa, algo o ataca e no dia seguinte… cadê Will? WILL SUMIU!

Daí em diante o resto da trama realmente começa a surgir e a se colocar no lugar.

Joyce, a mãe de Will, interpretada por Winona Ryder, corre até a polícia pedindo a ajuda do Chefe Hopper (David Habour) para encontrar o filho desaparecido, mas Hopper resiste. A cidade é pequena, Joyce é conhecida pela cidade por ser mãe solteira de dois filhos e ele pensa que ela estava sendo apenas desleixada com os filhos. Mas, bem aos poucos, ele se deixa levar e cede aos pedidos de Joyce – principalmente por se lembrar de seu passado próprio com sua família.

ONZE É MUITO PRECIOSA PRECISA SER PROTEGIDA A TODO CUSTO
ONZE É MUITO PRECIOSA E PRECISA SER PROTEGIDA A TODO CUSTO

Ao mesmo tempo em que isso acontece, o resto da cidade continua vivendo, então temos Nancy (Natalia Dyer), a irmã de Mike que ~tá de rolo~ com o garoto popular da escola, Steve (Joe Keery), enquanto Jonathan (Charlie Heaton), irmão do desaparecido Will, chama a atenção de Nancy graças à sua busca constante por sinais do irmão. E, numa parte um pouco mais afastada da minúscula cidade, uma criança estranha de cabeça raspada e nome Onze (Millie Bobby Brown) aparece. Buscas do quarteto, que mais parecem missões de RPG, acontecem enquanto a polícia tenta fazer o seu trabalho e adolescentes tentam levar a vida normalmente na cidade suburbana.

E eu acho que deveria parar de contar as coisas aqui, porque já contei até de mais, e começar a surtar de vez.

Read more

Scroll To Top