Autor: Bell

Um salve para Galera: 10 anos da Galera Record

Esses dias entrei no facebook e vi que a Galera Record estava fazendo um concurso para achar um novo autor em comemoração aos seus 10 anos de vida. Me senti, ao mesmo tempo, velha e saudosa, me lembrando dos tempos áureos do Fórum da Galera Record e de como a minha trajetória como leitora de YA se confunde com o surgimento da Galera Record. A minha trajetória como blogueira e como autora também!

Meu primeiro contato com livros que hoje consideramos como para Jovens Adultos foi com o Diário da Princesa, em 2002 ou 2003. Mamãe havia viajado a trabalho e visto o livro na livraria do aeroporto, achado interessante e comprado para mim, porque a gente havia assistido o filme e adorado. Eu gostei do livro na época, mas não era tão legal quanto o filme. Ela me trouxe o  2 e o 3 da mesma maneira, assim como Gossip Girl (nem eu nem ela gostamos quando lemos). Eu sempre tive um pezinho na fantasia e na ficção científica, então eu só me apaixonei de verdade quando A Mediadora caiu no meu colo.

ESSAS CAPAS!

Cara, A Mediadora era tudo o que eu queria num livro: personagem sarcástica, que via fantasmas!!!, resolvia crimes, se metia em algas confusões e ela tinha quase a minha idade! Eu estava habituada a ler livros sobre vampiros milenares, histórias sobre caras salvando o mundo, destruindo anéis do poder, lutando contra saxões e vikings, meninos da profecia derrotando o grande mal. Minhas leituras eram habitadas por homens, das mais diversas idades, e eu não conseguia me conectar direito às outra leituras que eu tinha feito com meninas da minha idade. E A Mediadora veio e mudou isso — depois dele, eu corri atrás de mais títulos que fossem assim, com meninas envolvidas em coisas sobrenaturais, tipo Buffy, mas me deparei com um probleminha… a maior parte dos livros era em inglês.

MENINAS CAÇANDO CRIATURAS SOBRENATURAIS É MINHA ESTÉTICA FAVORITA

Olhando hoje para o mercado, vocês conseguem imaginar que 10 anos atrás tinha tipo 2 ou 3 opções de livros com essa premissa em português, que hoje muita gente não aguenta nem mais ouvir? Era meio bosta, mas o que a eu de 14/15 anos podia fazer além de escrever fanfics e histórias originais do jeito que eu queria nos meus cadernos, durante as aulas, etc?

Eu comecei a ler em inglês por causa de Harry Potter – eu não aguentava mais esperar a tradução do livro 6, então comprei em inglês e me joguei nele na louca mesmo. Quando eu terminei, vi que conseguia ler e comecei a devorar os livros nesse idioma que eu conseguia encontrar. Eu acompanhava lançamentos gringos (basicamente pelo blog da Meg Cabot, essa facilitadora de vício) e os brasileiros, principalmente nas duas editoras das quais eu mais lia livros: A Record e a Rocco. E foi no site da Record um dia que eu descobri que eles iam lançar um selo que ia reunir todos os livros da Meg, de Gossip Girl, etc – a Galera Record.

O fim da década de 2000 foi conhecido por um incrível fenômeno na internet, os fóruns de discussão. Eu era uma rata de fórum nessa época, jogando mil rpgs, participando de uns 3 fóruns diferentes, e quando descobri que a Galera Record ia ter um fórum, a primeira coisa que eu fiz foi me cadastrar. O Fórum da GR era uma coisa maravilhosa – juntava um monte de gente que amava livros tanto quanto eu, que buscavam histórias como as que eu gostava, que permitia um contato direto com a equipe da editora. A gente conversava sobre todos os temas, indicava livros que saiam, acompanhava os lançamentos, indicava títulos em inglês para a editora, participava das competições mais loucas para poder ler os livros antes deles chegarem nas livrarias e compartilhava nossas opiniões sobre eles. Era um ambiente muito legal.

Era um ambiente tão legal que acabou que algumas pessoas decidiram passar a fazer suas resenhas em blogs. Quase todo mundo já tinha tido blog até aquela data, mas blog que falava só de livros? Isso era uma grande novidade para nós. Desses primórdios, consigo citar a Juliana Steffens, do Lost in Chick Lit; a Pam Gonçalves, que abriu o Garota It nessa época (e, mais tarde, lançou dois livros pela Galera Record!); a Iris Figueiredo e o Literalmente Falando; a Larissa Siriani, que já escrevia livros naquela época; A Nanda e o Wanna be Nerd, e vários outros que eu não consigo lembrar (por favor, deem um grito nos comentários se você era de lá!). O NUPE também surgiu desse ambiente, junto com a minha vontade de fazer um site que falasse de coisas nerds sem ser machista como o Judão era na época (ainda bem que o Judão mudou, ahaha).

Outra coisa interessante de lá: o número de autores de YA e pessoas que trabalham na indústria do livro hoje que fizeram parte do Fórum da Galera. Além das que citei lá em cima – a Pam, a Iris, a Lari, eu mesma – também tem a Chris Sales, do Diário Internacional de Babi; a Carol Christo, de O Último Mestre Pokemon; a Irena Freitas, que é ilustradora maravilhosa e outras que eu nem lembro mais porque minha memória é péssima. A própria Paula Pimenta, que conheci porque ela ganhou o concurso para conhecer a Meg Cabot que o fórum organizou!

Era um lugarzinho incrível da internet. Ao juntar um monte de adolescente e nem-tão-adolescentes-assim, acabou criando um caldeirão de ideias e criando várias amizades que duram até hoje, além de incentivar as pessoas a entrarem na cadeia do livro. A gente fala muito do fenômeno que foi Crepúsculo para disseminar os livros YA no Brasil, mas a gente precisa lembrar que teve uma Galera no meio do caminho. Foi a primeira editora no Brasil voltada para esse público e construiu um caminho sólido para tudo o que viria depois, principalmente quando se trata de relacionamento com os leitores.

É com muita felicidade que acompanho e comemoro os 10 anos de Galera Record e torço para que o selo tenha mais 10, 20, 30, 40 anos de vida!

*

A Bell falou sobre escrever um post sobre o aniversário da Galera Record e eu senti que precisava falar algo também. É impossível eu ignorar a importância dessa editora de livros na minha vida. É muito engraçado pensar nisso, aliás. Uma coisa que tanta gente ignora mudou completamente a minha vida e isso não é um exagero. A Katherine de 10 anos atrás, era MUITO diferente e toda a mudança positiva na minha vida teve um ponto de partida: a Galera Record.

Meu O Diário da Princesa é a 4ª edição, com o logo da Editora Record. Eu lembro quando criaram o selo jovem e foi uma das melhores coisas pra mim. Eu sempre amei ler, mas era muito complicado de achar coisas que eu AMAVA. A seção infanto-juvenil era muito infantil e a seção  adulta era muito adulta. Esse foco em jovens adultos e todo o profissionalismo em tratar a gente de igual para igual na internet foi tão incrível e hoje em dia parece algo básico, mas o tratamento que a gente tem hoje em dia nas redes sociais NÃO era comum. Eu lembro TANTO das comunidades do Orkut (saudades, volta Orkut) em que um monte de gente reclamava da qualidade e do atendimento que as editoras tinham, mas eu só via elogios para a Galera.

Eu só to aqui no NUPE hoje por causa de uma promoção que a Galera fez no meu amado FORUM GALERA RECORD, uma das primeiras e investir em sorteios, concursos e parcerias com blogs.  Eu era a louca dos foruns de Harry Potter, que mal teria entrar em mais um não é mesmo? Meu amigo mais antigo e um dos mais amados eu conheci num fórum de Harry Potter, os outros foi por causa do fórum da Galera.

Uma das coisas que eu mais amava no fórum é o que me faz amar tanto o twitter: empatia e igualdade. Ninguém ali era julgado pela idade ou conhecimento, todos estavam ali pelo amor aos livros e pela vontade de conhecer mais sobre as coisas.

Meu crescimento pessoal deve MUITO a todo mundo que eu conheci ou em consequência de ter feito cadastro lá. Deixei muitos preconceitos de lado, mudei muito minha maneira de ver o mundo, cresci e me libertei de várias coisas motivada e apoiada por essas pessoas.

Queria aproveitar esse post para agradecer essas pessoas por todos esses anos de amizade e crescimento. E dizer meu muito obrigada pra Ana por todo dia ser uma fonte de inspiração para tanta gente e por mudar tantas vidas com as histórias lindas nos livros da Galera.

Muito obrigada por tudo, Galera Record ♥

BONDE DAS MARAVILHAS: Mulher Maravilha

Mulher Maravilha (Patty Jenkins, 2017) é provavelmente a adaptação de quadrinhos mais esperada desse ano. Não só por ser a primeira vez que a super-heroína é adaptada para live-action em décadas, mas também por ser o primeiro filme solo protagonizado por uma heroína dessa nova leva de adaptações cinematográficas da DC (e da Marvel). Havia muita expectativa em cima desse filme, porque ele seria uma MUDANÇA NO JOGO, independente da sua qualidade. Há um grande viés em Hollywood para histórias escritas, dirigidas e protagonizadas por homens, principalmente no gênero de Filmes de Super-Heróis, e a escolha de uma diretora vencedora do Oscar para a direção desse filme deixou os fãs animados e ansiosos para conferir o resultado.

E o resultado foi:

excited

Mas vamos ao que interessa: Mulher Maravilha conta a história da amazona Diana, filha de Hypólita, a Rainha das Amazonas, que cresceu entre as histórias mitológicas do seu povo – desde o fato dela ter sido moldada do barro pela sua mãe e Zeus ter lhe dado a vida, até a história da missão primordial das Amazonas no mundo, que é manter a harmonia no mundo dos homens e impedir Ares de corrompê-los com a guerra. Diana é uma criança que cresce na ilha das amazonas com todas as regalias de uma princesa, mas sonhando com a batalha. E, quando a batalha vem, quando ela finalmente conhece a Guerra, entende o quão terrível ela pode ser.

Profissão dos sonhos: Caça-Fantasmas (3D)

Gente.

Gente.

Gente.

Olha, fui uma criança que cresceu assistindo o desenho de Caça-Fantasmas e só vi o filme de 84 um pouco depois na minha vida, mas sempre amei a história, o conceito, as ideias. Uma das profissões que eu quis ser na vida foi Caça-Fantasmas, até perceber que não daria porque fantasmas não existem (será???). Então recebi a notícia de que iriam fazer uma nova versão em 2016, protagonizada por quatro mulheres com muita felicidade porque era o mais perto que eu teria de ser uma caça-fantasmas! Eu esperei ansiosamente por esse filme, mesmo tendo como política não criar expectativas, apenas galinhas.

Eu decorei a dancinha da versão japonesa do tema para esse filme.

Nem todo mundo teve a mesma reação que eu. Recentemente li um artigo muito interessante sobre a roteirista, a Katie Dippold (As bem armadas; A Espiã que Sabia de Menos), em que ela fala que antes mesmo de ter uma palavra escrita no roteiro, as pessoas já diziam que esse seria o pior filme da história. Tudo isso só porque ousaram fazer um remake trocando o gênero dos personagens principais, como se mulheres cientistas caçando fantasmas fosse a pior assombração da história da humanidade. Ninguém queria dar nenhuma chance ao filme e o trailer foi o que teve mais dislikes da história do youtube, mesmo eu achando legal para caramba.

Sabe a melhor parte de tudo isso? A gente poder falar em alto e bom som que eles estão COMPLETAMENTE ERRADOS! Caça-fantasmas (2016), que estreia nessa quinta, é divertido, com bons personagens, uma ótima história e efeitos especiais maravilhosos!

HOLZIE

Mas vamos ao filme:

Clube do Livro da Gutenberg em Brasília – A Lente de Marbury

OLÁ, PESSOAS LINDAS DO MEU BRASIL!!!
Estamos aqui hoje com uma ótima notícia:  a partir desse mês, nosso blog será parceiro do Clube do Livro da Gutenberg aqui em Brasília. Todo mês, ajudaremos a divulgar os eventos e participaremos das reuniões na Cultura do Shopping Iguatemi, para discutir os títulos escolhidos no mês!
O Clube do Livro já existe em várias cidades do país, como vocês podem ver na imagem acima, e aqui em Brasília, vai acontecer em DOIS dias diferentes, para ninguém ter desculpa para não participar, viu? Para os eventos no CasaPark, o blog “padrinho” será o Academia Literária DF 🙂
Os eventos no Iguatemi serão no último sábado do mês e os do CasaPark, no último domingo. Para Julho, o livro escolhido é A Lente de Marbury, do Andrew Smith. E os eventos aqui já tem data e hora:
  • 25/06, 11h, no Iguatemi Shopping

  • 26/06, 16h, no CasaPark Shopping

Você pode confirmar sua presença no evento aqui, e pode comprar o livro aqui!
Ah, e o livro do mês que vem já foi escolhido: Amor Amargo, da Jennifer Brown. Vão se preparando!

Lollapalooza 2016: Uma preparação!

OLÁ, HUMANOS!!

Amanhã e domingo várias pessoas migrarão para o Autódromo de Interlagos para um dois dias inteiros de comida superfaturada, filas e música boa! É o Lolla, que tá na sua sexta (quinta? sétima? eu perdi a conta já) edição e nesse ano trará a incrível e maravilhosa banda Florence and the Machine!!!

Florence inspirou uma deusa de verdade em Wicked and Divine, a Amateratsu.
Florence inspirou uma deusa de verdade em Wicked and Divine, a Amateratsu.

Embora existam pessoas que vão em festivais de música apenas por uma banda, eles são excelentes para você ver ao vivo bandas menores e conhecer novos artistas. Por exemplo, foi no Lolla de 2013 que conheci Of Monsters and Men, que retornam esse ano, e também foi num Lolla que conheci Band of Horses e Cage The Elephant. Por isso, não quero focar nos headliners e sim nos demais shows que acho que vocês não deveriam perder. As bandas vão aparecer na ordem em que os shows acontecem!

Saga dos Corvos: Garotos Corvos, de Maggie Stiefvater

No início do mês convidamos vocês para fazerem uma maratona de leitura da Saga dos Corvos conosco, em preparação para o lançamento do quarto e último livro da série em inglês. Nós fizemos vários comentários no twitter usando a hashtag e várias pessoas também aceitaram o desafio no Instagram. \o/

Esse post aqui não é uma resenha propriamente dita, mas um amontoado de pensamentos, os melhores comentários que fizeram e as nossas percepções ao reler o livro. Se você não sabe a sinopse ou do que se trata o livro, pode ler aqui. Mas eu já vou avisando para vocês que essa sinopse é MUITO enganadora e que a história é muito mais que isso. (Ah, nossos comentários tem o mínimo de spoiler possível)

Maratona Saga dos Corvos!

Uma parcela significativa de membros do NUPE se apaixonou profunda e desesperadamente pela Saga dos Corvos, da Maggie Stiefvater. Nós falamos sobre o nosso amor várias vezes (e até em outros blogs) e no twitter sofremos quase diariamente lembrando que o quarto e último livro da série, Raven King, sairá dia 26/04/2016, depois de ser adiado TRÊS vezes.

Então decidimos fazer algo ESPECIAL para abrir caminho para o Rei Corvo: queremos convidar a todos vocês para fazermos uma (re)leitura coletiva da Saga dos Corvos! Para quem nunca leu e estava esperando o lançamento do quarto volume, é o momento perfeito para começar. Para quem já leu, é a oportunidade perfeita de reler e perceber todas as sutilezas que a Stiefvater esconde nas suas histórias, de procurar dicas e sinais do que irá acontecer no último volume da série.

Os três primeiros volumes já foram traduzidos para o português e, embora o primeiro volume seja meio difícil de achar nas lojas online, ele está disponível de graça no Kindle Unlimited! Você pode baixar o aplicativo do kindle para celular, tablet ou computador e testar por 30 dias grátis o serviço da Amazon (e aproveitar para ler outros títulos além de Garotos Corvos e Lírio Azul, Azul Lírio) (não tem o livro dois no unlimited :/).

EIS O NOSSO MARAVILHOSO CRONOGRAMA:

Captura de Tela 2016-01-31 às 19.11.35

A ideia é ter duas semanas para ler cada livro, e duas semanas de intervalo entre eles. Iniciando dia 10/02, nós abriremos um tópico no grupo do facebook do NUPE para cada um dos livros nas datas indicadas, para que as pessoas possam interagir e, no twitter, comentaremos sobre os livros com a hashtag indicada na tabela! Os melhores comentários virão para o post que faremos com as nossas impressões, então caprichem 😀

Se você tem blog e quer participar também, espalhe a palavra! Faça um post convidando as pessoas a participarem da maratona e convença seus leitores, seus familiares, seus animais de estimação a lerem conosco!!! Temos até uma imagem bacanuda:
MARATONA (1)

Vocês podem comprar os livros aqui:

Garotos Corvos
Amazon: InglêsPortuguês
Livraria Cultura
Saraiva

Ladrões de Sonhos

Amazon: InglêsPortuguês
Livraria Cultura
Saraiva
Livraria da Folha

Lírio Azul, Azul Lírio

Amazon: InglêsPortuguês
Livraria Cultura
Saraiva
Livraria da Folha

Raven King
Pré-venda em Inglês

David Bowie: um singelo tributo da equipe do NUPE

Hoje nos despedimos de David Bowie, um ícone da música, da arte, da auto aceitação, da ficção científica e de muitas, muitas outras coisas. Ele tem uma grande participação e significado na vida de muita gente da equipe do NUPE, então resolvemos falar algumas coisinhas pra lembrar e homenagear esse artista inacreditável que não parou de criar e perseguir seus objetivos até o final. Nem todo mundo da equipe pôde (ou conseguiu) escrever, mas David Bowie com certeza está em todos os nossos corações.

db
http://helengreenillustration.com/

SEGUREM AS CARTEIRAS: Sugestões de presentes de Natal

OLÁ,  LEITORES DO NUPE.

Estão gostando do novo visual? Conheceram o Etevaldo ali em cima?? Nossa Coruja entrou de licença maternidade (as corujinhas dela são lindinhas) e nós precisamos chamar um novo mascote para cobrir a licença maternidade dela. Etevaldo, um gentleman de outro mundo, aceitou o convite com muito apreço e começou sua temporada conosco ontem.

MAS ESSE POST NÃO É PARA ISSO. Estamos no final de Novembro já e em um mês é o NATAL!! Eu amo muito essa época do ano por vários motivos, incluindo o fato do meu aniversário ser seis dias antes do natal e toda essa atmosfera de esperança e otimismo para o ano que está vindo. Eu também amo presentes, porque sou capitalista e vivo numa sociedade que equipara afeição=presentes, e geralmente gasto uma grande quantidade de tempo pensando no que vou dar para os meus parentes, amigos e para amigos secretos nesse período.

Aí eu pensei: “Por que não faço um post com indicações de presentes legais?”. Sabe, tipo aquelas revistas  que tem “PRESENTE PRO PAI”, “PRESENTE PRA MÃE”, “PRESENTE PRO PERIQUITO”?? Só que vou dividir em categorias ESPECIAIS.

Vem comigo!

Para quem gosta do combo suspense+mulheres multifacetadas:

Bullet Journals e a tentativa #149 de me organizar

Um bullet journal fofinho
Um bullet journal fofinho (daqui)

Saí com minhas amigas outro dia e uma delas, a Natasha, comentou sobre um daily planner que uma das blogueiras que ela acompanha no YouTube tinha ganhado, como era maravilhoso e perfeito, mas CUSTAVA 420 REAIS. Obviamente, ela compartilhou o vídeo para nos fazer sofrer. O vídeo é esse:

EU FIQUEI DESESPERADA PORQUE 1) AMO COISAS DE PAPELARIA, 2) SOU A LOUCA DAS LISTAS E DOS PLANEJAMENTOS (embora não necessariamente coloque tudo em prática). Eu mandei para a Tassi, que compartilha do mesmo hobby maluco e considerei por uma semana inteira se realmente valia pagar R$ 420,00 nesse negócio porque TEM TUDO. No final, refleti que é mais caro que o ingresso do Lollapalooza e que EU ARRUMAVA UM MAIS BARATO OU FAZIA UM EU MESMA!

Se você não é maluco como eu, provavelmente está pensando “420 reais por uma agenda turbinada?”. Pois é, mas é uma agenda turbinada. Todos os campos que eu preciso fazer manualmente em uma agenda já estão lá, impressos! Tem mais liberdade para o que fazer, mais espaços livres para escrever, mais páginas… Enfim, tem alguns anos que sou bem insatisfeita com as agendas que em geral encontro e uso outras maneiras de agrupar minhas informações, inclusive em um milhão de caderninhos diferentes.

Enfim, eu fui pesquisar se havia algo semelhante para vender, mas nenhum produto que encontrei foi o suficiente. Aí decidi que, se achasse algo na internet, valia a pena imprimir e até encontrei um bem legal, o Passion Planner, mas quando abri, vi que ele não atendia exatamente o que eu queria.

Eu sabia que estava bom demais para ser verdade

O negócio é: eu uso esse tipo de coisa para organizar meus prazos de entrega de livros e textos, meus compromissos, minhas provas e trabalhos da faculdade. Eu preciso ter uma visão holística de todo o processo, com os detalhes de quanto progredi a cada dia para poder me situar melhor no ritmo de trabalho que preciso adotar. Tenho metas diárias para cada um dos meus compromissos à longo prazo e preciso de uma ferramenta que me deixe transitar pelo processo passado e futuro com facilidade.