Death Note: Iluminando um Novo Mundo

Death Note: Iluminando um Novo Mundo continua a história começada no primeiro filme de 2006, que teve a segunda continuação no mesmo ano e a terceira L: Change de World em 2008. Iluminando um Novo Mundo agora conta a história de um novo caso envolvendo os Death Notes e Shinigami, 10 anos depois dos acontecimentos do começo da franquia.

[Pode conter spoilers]

Após a morte de L e de Kira, os Shinigami tomam conhecimento do poder de destruição que os cadernos têm na mão dos humanos, e como um desafio feito ao próprio destino, o deus da morte lança 6 cadernos à Terra, em busca de um novo portador do Death Note que traga um feito tão grandioso quanto a destruição em massa causada por Kira no começo das histórias. O filme então reintroduz as regras do caderno em cenas onde os novos portadores são apresentados rapidamente e mostram o uso que cada um dará ao caderno encontrado, e, como esperado, o fim que alguns desses portadores terão por conta disso. Seja enlouquecerem, se matarem, ou serem pegos pela força-tarefa criada para investigar os casos de Death Note pelo mundo.

O que reina no filme é o mistério e as hipóteses sobre quem pode ser o novo Kira, agora que novos assassinatos estão acontecendo com o mesmo padrão das mortes causadas pelos Death Note. Ao contrário do anime ou dos primeiros filmes, dessa vez não estamos acompanhando a história pelo ponto de vista do assassino, e sim de quem o procura.

Isso se torna um ponto alto para a narrativa, já que difere e traz um novo ar para a franquia.

Em contrapartida, um ponto negativo fica bem claro em vários momentos do filme. Enquanto a história se renova no aspecto do ponto de vista, ela também se torna repetitiva ao apresentar praticamente os mesmos personagens de antes. As personalidades, trejeitos, motivações e outros aspectos de L e Kira se repetem em Iluminando um Novo Mundo, apenas com a roupagem de personagens “novos”. Alguns momentos e reviravoltas do filme também são muito semelhantes aos acontecimentos da primeira história, o que reforça a sensação de déjà-vu. Talvez seja algo que deveria ter passado como referência, mas que, para quem acompanhou as primeiras histórias, se torna repetitivo.

Entretanto, nem de longe o filme é ruim, nem perto disso.

O enredo continua com o mesmo ar intrigante e o espectador pode se preparar para receber uma boa história. Outro ponto muito alto são os efeitos especiais que convencem e tornam o visual dos Shinigami extremamente realista com texturas e cores únicas.

Os personagens convencem e as atuações não deixam um detalhe passar, o comprometimento do elenco é claro e o clima de suspense é tenso e se constrói numa crescente até os minutos finais do filme.

A diversão é garantida!

Classificação: Três shinigamis e meio

Comentários
Val

A Rainha do Contra e das Reclamações. Quando não está discordando ou reclamando da Vida, do Universo e Tudo o Mais, pensa em como sobreviver à uma invasão zumbi. Toma banhos iluminadores e protege o mundo das Temíveis Criaturas que Vivem em seu Quarto.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *