Você pode sair desse labirinto? : Looking for Alaska, de John Green

 

Autor: John Green
Língua: Inglês
Previsão no Brasil? NENHUMA!

Miles “Pudge” Halter é um garoto que viveu a sua vida inteira sem muitas coisas interessantes, sem nunca fazer nada diferente ou que não fosse seguro. Cansado de ter uma vida sem emoções, ele decide ir para um internato para procurar o Grande Talvez (François Rabelais, poeta, morto.). É, além de viver uma grande vida sem eventos, ele ainda coleciona e decora o que pessoas famosas falam na hora da morte e o Grande Talvez é o que o poeta François Rabelais disse que iria procurar antes de morrer. E Miles acha que não precisa estar morto para procurá-lo.
Assim, vai para a Culver Creek, um internato (que só tem gente doida) e, de cara, fica amigo das melhores pessoas que ele já conheceu na vida. Inclusive, se apaixona por Alaska Young, uma garota louca, engraçada, esperta, sexy, auto-destrutiva e muito fascinante…

E então, algo acontece.

E nada, nada, nada jamais será igual.

Eu tenho dificuldade de fazer as resenhas padrões quando gosto muito de um livro.  Looking for Alaska foi um livro que entrou na minha vida de uma vez e me virou de cabeça para baixo de uma forma que se todos os livros fizessem, eu pararia de ler porque deixaria de ter estrutura psicológica.
Desde que terminei de ler, eu não consigo parar de pensar sobre a minha vida e o que eu venho fazendo com ela. Onde estará o meu Grande Talvez? Como posso sair desse labirinto? Eu ficaria satisfeita com a vida que eu estou levando quando eu parar e olhar para trás, no futuro? Ou mesmo… se eu morresse agora, o que eu teria feito? O que isso significaria para mim e para as outras pessoas?
Diferentemente do que você pode estar imaginando, o livro não é, de forma alguma, uma sabatina sobre como viver a sua vida. É a história de um garoto sem graça que vai tentar arrumar alguma graça na sua vida e, de repente, descobre o quão aleatória ela pode ser.
Além disso, é um livro hilário. É sobre viver e se divertir, primeiramente. É sobre amigos e companherismo, é sobre conviver com diferenças, é sobre fumar e encher a cara, é sobre aprontar, é sobre amar. Tem partes em que você morre de rir, tem partes em que você se sente sufocada, tem partes em que você chora…
Os personagens são todos muito bem construídos, em várias dimensões (observe, mais do que três. Seriam eles surreais?). Enquanto você lê, você tem vontade de estar ali, de ser amigo deles, de adicionar um assunto na conversa. Todos eles são muito bons, mas eu tenho que dizer que o meu favorito é o Colonel, colega de quarto do Pudge. Ele é um garoto excepcional, na minha opinião, e a parte que mais me emocionou no livro inteiro veio dele. A Alaska é uma “personagem forte” e não porque, como alguns dizem, ela é bad-ass. Ela é forte por ter convicções e se ater a elas, por ser uma personagem problemática, por ser contraditória, por não ter papas na língua e por amar o seu namorado.
Além disso, a narrativa do John Green é fenomenal. Não cansa, te prende logo no início e te leva pela mão por todas as páginas. Ele também faz um uso fenomenal da língua inglesa, não tornando o livro repetitivo nem subestimando a capacidade do leitor. É para adolescentes? É. Trata adolescentes como crianças? Não.
Isso é o que eu mais gostei. Há uma crença que adolescentes não tem capacidade de compreender temas mais complexos e que, OH, é pecado escrever um livro para adolescentes com xingamento, pessoas bebendo e fumando. O John Green escreve um livro com tudo isso que parece REAL. E que não consiste SÓ nisso.

O problema quando você gosta tanto de um livro assim é que você faz uma resenha e todo mundo vai esperando horrores do livro. Grandes Expectativas levam à decepção, então leia Looking For Alaska. Mas esqueça de tudo que você leu até aqui.

Citação favorita:

“Best day of my life hasn’t happened yet. But I know it. I see it every day. The best day of my life is the day I buy my mom a huge fucking house.”

“O melhor dia da minha vida ainda não aconteceu. Mas eu o conheço. Eu o vejo todos os dias. O melhor dia da minha vida é o dia em que eu comprar para minha mãe uma casa grande para caralho.”

Classificação geral:

Cinco velas, seis carros, sete maços de cigarro, oito garrafas de Strawberry Wine e 10 redações de finalização do semestre.

~~~

Muito prazer, John Green.

Agora, você viu lá em cima que a previsão no Brasil é… NENHUMA. Certo? Certo?
Entrou em desespero por que não lê inglês??
Então, eu, a Etiene e a Nat queremos fazer um campanha para trazer um livro, QUALQUER LIVRO, do John Green pro Brasil.
A Nat não leu Looking for Alaska e sim o GENIAL An Abudance of Katherines e ela garante o mesmo que eu e a Etiene: o cara é genial.
Então, POR QUE DIABOS NÃO TEM NENHUM LIVRINHO DELE EM PORTUGUÊS, HEIN? HEIN? HEIN?
Mas VOCÊ pode mudar isso! Sabe como?
Uma estratégia que chamo de PSEF!

1)PERGUNTE como quem não quer nada para as editoras no twitter. “Vocês vão publicar algo do John Green?” ou “Vocês já estudaram publicar Looking for Alaska?” ou ainda “Vocês conhecem Paper Towns, do John Green?”

2) SUGIRA por forum (na Galera Record, por exemplo) ou com um post no seu blog ou pelo twitter ou no facebook ou no orkut. Mostre que você está interessado em comprar e que existem outras pessoas que também tem interesse. Eles tem que ver que é vendável.

3) ENCHA O SACO por email. Mande uma vez por semana um email perguntando se há o interesse, sugerindo, dando uma de João Sem Braço e perguntando QUANDO SERÁ PUBLICADO, independente da editora TER OU NÃO OS DIREITOS.

4) FOCO. Não mande para 1000 editoras de uma vez, ou elas vão acabar competindo pelos direitos. Comece com uma, veja se vai dar resultado e, se não der, parta para outra.

A minha sugestão é que comecemos com a GALERA RECORD, que acho que é a editora que tem mais o perfil do livro e é a que tem mais proximidade com os leitores, por ter forum, blog, email e twitter bem ativos!

Comentários
Bell

Codinome de Bárbara Morais, autora da Trilogia Anômalos. A quantidade de ideias que tem é inversamente proporcional ao seu tempo para fazê-las. Gosta de números tanto quanto gosta de letras - e jura solenemente não fazer nada de bom (enquanto estiver nesse blog).

  • Nathalia

    Oh, Bell, que lindo <3 Tô louca pra ler esse livro, adoro essas coisas que te fazem ~~sentir~~. Você não precisa de uma garota com-poderes-maágicos cercada por um harém de caras gatíssimos pra que o livro mexa com sua alma e tal. Digo, pode ser divertido de ler, mas... não sei, às vezes eu sinto que o YA faz tudo... menos retratar os tais "jovens adultos". Que é o que deveria fazer, supostamente, não?

    Mas aí surgem pessoas do tipo John Green e outras, e eu fico aliviada. Woohoo!

    QUANTO À CAMPANHA, YEAH YEAH (leiam isso por favoor, pessoas que porventura vierem comentar o post!): eu acho que a gente deve focar mesmo na GR, já que "Will Grayson, Will Grayson" - livro dele com o David Levithan (o cara de Nick&Norah) vai ser publicado por lá - sem previsão ainda, mas já é um (bom) começo!

  • kah

    Looking For Alaska se tornou um dos meus livros favoritos. E Will Grayson, Will Grayson também é muuuuito bom!

    Quero MUITO ler Paper Towns e An Abundance of Katherines. :D

  • Etiene Rocha

    Bell,
    Não poderia concordar mais com você quanto a tudo que você relatou.
    Este livro me despertou questionamentos que eu não me fazia desde quando terminei a faculdade. E me fazer querer buscar o grande talvez não é uma tarefa simples e nem fácil. Acho que o Miles deu sorte, ele o encontrou com mais facilidade que muitos.
    O livro é sobre crescer, amadurecer, amizades duradouras, viver, acima de tudo.
    E vamos com força na campanha Looking for Alaska e John Green vão dominar os Jovens Adultos!

  • Priscila Shibahime

    Você e a Etiene estão falando TANTO desse livro que eu fiquei com uma súper vontade de lê-lo ;-;
    Pelo que falam eu associei com Nick e Norah, mas acho que deve ser bem diferente, né?
    Queria saber qual editora supostamente comprou os direitos, para poder enxer o saco mandando os emails D: qual o email de contato da galera record? ( se eu tivesse twitter faria isso por ele, mas não sei mexer lá >D )

  • Bell

    Pri, é galera@record.com.br, se não me engano!

  • Clarissa Santos

    Sempre que eu via vocês (tu, Bell, a Nat ou a Etiene)comentando esse livro no twitter, eu imaginava que ele fosse TUDO menos YA. ele parece ser tão mais adulto, começando pela capa!
    enfim, a história parece ser realmente fantástica... também vou perturbar a GR para que eles publiquem por aqui! *-*

  • Liv

    Primeira vez que ouvi falar desse livro e li a sinopse não me interessei nada. Mas agora já estou com muita vontade de ler, os comentários no twitter, skoob e sei lá onde mais falam muito bem!

  • Sarah Lee

    Olá Bell, nossa que intimidade, quem é essa maluca que ja vem assim?? Hehe Entçao acabei de ver sua entrevista para o blog da Etiene e me diverti contigo, não te acho uma palhaça calma, mas vc tem um ótimo senso de humor, pelo menos demostrou no video.
    Antes de comentar o post, que por sinal amei e estarei nessa briga, quero dizer que vim correndo aqui em saber q tu é fã de Neil Gaiman, meu Deus me arrepia só de pronunciar esse nome, então eu sou apaoxonada, depois de ler Coraline fiquei mega feliz em conhecer o trabalho desse surreal artista literario. Fora que ele é dos generos incansaveis, mistério, fantasia e tal e isso me fascina, apesar de ter uma gueda por historia de guerra onde tio Hitler sempre esta presente.
    VC LEU LUGAR NENHUM, e eu quero esse livro desesperadamente, mas quero mesmo pra mim, pra chamar de meu, mas o problema q não sou rica e infelizmente os livros de Niel Gaiman são bem salgadinhos, e até hoje não consegui comprar Lugar Nenhum e me recuso a ler pela internet, alias vc chegou a assitir a mini serie que a...acho q foi a BBC que produziu de Lugar Nenhum? Eu achei no Youtube mas não quiz assistir por causa do livro...Então querida queria saber de ti se vale a pena toda esse despero e gastar R$55,00 em um livro como lugar Nenhum???? =D
    Ja lhe agradeço.

    Looking for Alaska
    Eu não lembro onde vi pela primeira vez, pela Etiene ou pela Juh de livros e Bolinhos, mas assim q ouvi o titulo pensei, VOU LER, Mais ai vi q era em ingles e FAIL, podia ser em Frances me arriscaria, mas... Ai a Etiene disse que queria uma campanha pra publicar aqui então gostei...o q puder fazer pra ajudar estarei dentro.

    Beijos pra Xuxa, hehehe!
    Au revoir!

  • Dandra

    Começou!!! Agora vamos correr atrás da divulgação :P

    Muuuuito boa resenha Bell!

    O cara é um gênio, tem 5 livros publicados e nenhum no Brasil?

  • Juh**

    Ameeeei a resenha e estou doida para ler esse livro meu Deuuuus, mas não leio muito bem em inglês então super aderida a campanha, e começando pela galera record.
    Otima iniciativa!!
    beijooos

  • Rafael

    Olá, Bell!
    Não tinha ido com a cara do livro. #prontofalei
    Mas vendo o vídeo de vocês, tive que saber mais do que se tratava, e assisti a resenha dela, agora li a sua.
    E eu te digo: EU TENHO QUE LER!
    Não vou nem arriscar comprar em inglês. Não, não tenho vocabulário para tanto.
    Vou partir para sua estratégia de cutucar as editoras. =P

    Adorei a resenha!
    Beijos e ótima semana.

    @bart1_178
    http://lembradaquelahistoria.blogspot.com/

  • Bell

    Nath, eu não vou te responder. XD

    Kah, você leu Will Grayson?? Eu QUASE comprei, mas aí eu vi outros livros... devia tê-lo comprado ao invés de Paranormalcy... era o mesmo preço!

    Eti, te ignoro tb -q

    Pri, se cadastra no forum da GR e pergunta :D

    Clarissa, go, go, go!

    Liv, vc vai ler em inglês ou esperar? pergunta lá no forum da GR! hauahua A sinopse é meio esquisita e como eu sou esquisita, gostei de primeira, hahah!

    Sarah, oiii! Que bom que você riu comigo, hahaha! Era o objetivo! XD E sobre o Neil Gaiman, eu conheço bolos de gente que o ama! Ele é um ídolo pra muita gente (pra mim tb!)
    Sobre Lugar Nenhum, li em inglês. Ler em inglês ajuda muito, porque cada livro é tipo 15 reais. Dá pra comprar com o dinheiro do McLanche Feliz! hauahuahau
    Vc viu a resenha aqui? Todo mundo diz que a mini-série é uma droga... tenho medo de ver!

    \o\ Faça o que foi recomendado!!!

    Dandra, obrigadaaaa :D Pois é, injustiça, né??

    Juh, vamos lá! se mover ;D


    Rafael, acho que muita gente não foi com a cara dele porque acha que não é o estilo literário que agrada. E também porque a sinopse é muito WTF, convenhamos...
    Mas ele é ótimo <3
    Vá cutucar as editoras, hahaha!

  • Mônica Bento

    Acho q se eu lesse esse livro agora eu ia pular da ponte (e nem ia morrer, pq a ponte aqui perto é baixa, mas enfim)! Eu gosto muito de YA assim, q ñ me trata como idiota (apesar de eu nem ser adolescente mais) e q tem personagens mais 'profundos'.


    (Só ñ gostei da capa, tenho um problema com velas e ficar olhando assim me dá nervoso, mas pela classificação tem a ver com a história, então blz)

    ôpa, super apóio encher a Galera Record! Acho q tem um pouco de jeito da intrínseca tb. De qualquer jeito, uma com preço mais honesto, por favor!

  • Isa Pina

    Concordo muito com você em relação a NINGUÉM publicar os livros desse autor tão bom! *-*'
    Tipo, COMO NÃO?
    Eles não usam internet, não veem TV ou sei lá o que? :S
    Vou tentar ajudar ao máximo essa campanha, pois também quero ver aqui!
    bjs :*

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *